Polícia procura por fraudadores do INSS em MT

Atestados médicos falsos eram emitidos para a obtenção de auxílios a terceiros; foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão nesta quarta-feira, 5

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

06 Outubro 2011 | 00h50

São Paulo, 6 - A Polícia Federal (PF) está à procura, na cidade de Livramento (MT), a 30 quilômetros da capital Cuiabá, integrantes de uma quadrilha responsável por fraudes contra o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

 

Nesta quarta-feira, 5, uma força-tarefa, formada por agentes da PF e membros do Ministério da Previdência Social e do Ministério Público Federal (MPF), deflagrou a "Operação Livramento". Em posse de mandados de buscas e apreensão, o grupo realizou buscas no Centro de Referência e Assistência Social (CRAS), no Centro de Referência Especializado em Assistência Social (CREAS), na Secretaria de Assistência Social do Município e numa residência.

 

Apesar de ninguém ter sido preso, os policiais apreenderam formulários de atestados médicos, carteiras de trabalho e de identidade e computadores. A quadrilha, segundo a polícia, vem falsificando atestados médicos para conseguir auxílios a terceiros. Em inquéritos diferentes, a perícia constatou que o preenchimento dos formulários vieram do mesmo punho, entretanto os nomes de médicos eram diferentes. Não se sabe ainda se as assinaturas foram feitas pela mesma pessoa.

 

A PF começou a investigação a partir de notícia-crime do INSS, que desconfiou dos atestados fornecidos por solicitantes dos benefícios. No decorrer das investigações, quatro inquéritos foram instaurados e uma mulher foi presa, em flagrante, por tentativa de estelionato contra o INSS e por uso de documento falso. A criminosa afirmou na ocasião que o atestado teria sido fornecido por um vereador de Livramento, mas o nome dele não foi divulgado.

 

Outra pessoa foi ouvida e indiciada por falsificação de documentos públicos, pois os atestados eram preenchidos em formulários da rede pública de Saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.