Polícia procura professor desaparecido

Ele foi visto pela última vez à 0h50 do dia 3 de abril. Estava saindo em seu Palio branco de seu apartamento na Vila Clementino, na zona sul de São Paulo. Desde então, ninguém sabe o que aconteceu com o professor universitário e jornalista André Alberto Florêncio de Melo, de 28 anos.Nos últimos dias, o cartão de crédito do professor da Universidade Paulista (Unip) foi usado em 11 compras, entre elas a de um telefone celular. Também foram utilizados seis cheques.Seu desaparecimento foi constatado no dia 3. Como ele não atendia o telefone de casa, uma prima foi ao apartamento encontrá-lo. Melo, que morava sozinho, não estava. A família avisou ao 16º Distrito Policial e a Delegacia de Pessoas Desaparecidas do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).Os policiais e parentes procuraram o professor nos postos do Instituto Médico-Legal (IML) e nos hospitais da região metropolitana. Nenhuma pessoa que tivesse suas características foi encontrada nesses lugares - pele branca, olhos castanhos e cabelos loiros.O carro de Melo foi achado no fim de semana em um estacionamento em Santa Cecília, no centro.Na manhã desta quarta, a Polícia Civil divulgou a fotografia do professor em seu site na internet (www.policia-civ.sp.gov.br).Segundo a polícia, quem tiver informações sobre Melo deve telefonar para os números 5549-8293 (16.º DP) e 3315-0147 (Delegacia de Pessoas Desaparecidas). Também pode avisar a polícia enviando um e-mail para o seguinte endereço: pessoas-desaparecidas@sp.gov.br.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.