Polícia quer apurar vazamento de informação no caso Belo

A Polícia Civil suspeita que houve vazamento de informação durante o período de inquérito que apurava a suposta associação para o tráfico do cantor Marcelo Pires Vieira, o Belo. O chefe de gabinete da Polícia Civil, Pedro Paulo Pinho, disse que a Corregedoria está investigando o fato de o advogado Sylvio Guerra, que deixou o caso e teria tentado extorquir dinheiro do cantor para pagamento de propina, ter sido a pessoa que recebeu os policiais durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão na casa do artista. ?O resultado da busca, em que nenhuma arma foi encontrada, também causa estranheza?, afirmou Pinho, para quem a presença do advogado na casa e odesaparecimento da suposta coleção de armas de Belo são indícios do vazamento de informação. O cantor, que teve a prisão preventiva decretada há seis dias, continua foragido. Na época da busca e apreensão, o inquérito era presidido pelo delegado Pedro Paulo Abreu, então titular da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas(Draco). Ontem, foi divulgada uma fita em que Belo e Guerra negociavam o pagamento de R$ 300 mil para que policiais civis abafassem o caso. Na gravação, o cantor cita o nome do ex-chefe de Polícia Civil, Álvaro Lins, e do atual titular da Draco, Ricardo Hallack. ?Estamos certos da inocência deles. Foi o Belo quem citou os nomes e ele pode ter feito confusão. Acredito que tanto Lins quanto Hallack serão inocentados e que a investigação irá recair sobre a gestão do Pedro Paulo Abreu?, afirmou Pinho. Abreu já responde à sindicância na Corregedoria por ter divulgado o caso à imprensa um dia antes de ser exonerado do cargo. ?Hallack deu andamento ao inquérito, pediu a períciagrafotécnica, a prisão preventiva do Belo. Nada disso ocorreu antes?, disse Pinho. Abreu não foi encontrado para comentar as declarações do chefe de gabinete.Hoje, o delegado Álvaro Lins entregou uma petição à Corregedoria de Polícia Civil, pedindo a investigação da suposta tentativa de corrupção de policiais. ?Eu estou revoltado?, afirmou. Além da ação criminal, Lins pretende processar na Vara Cível Belo, Sylvio Guerra e o advogado do cantor, Alberto Louvera, que divulgou a fita. ?Quero indenização por danos morais?, afirmou. Hallack também vai processar o artista e seusadvogados.O Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil (seção Rio de Janeiro) poderá suspender preliminarmente, já na próxima semana, o direito do advogado Sylvio Guerra de exercer a advocacia, por um prazo de 90 dias. O presidenteda OAB do Rio, Otávio Gomes, afirmou que Guerra seria notificado ainda hoje a se apresentar ao órgão, no dia 13, para se defender em uma audiência especial. Segundo ele, se os integrantes da corte não se convencerem, poderão decidir pela suspensão, levando em conta o paráqrafo terceiro do artigo 7º do Estatuto da Advocacia, que estabelece a penalidade "em caso de repercussão prejudicial à dignidade" da profissão.Guerra disse em entrevista à tevê, ontem, que mentiu para Belo de que conseguiria que o caso fosse abafado a fim de receber honorários atrasados. O telefone celular do advogado ficou desligado durante todo o dia e ele não foi ao escritório. "Normalmente, é feita uma notificação para que o advogado em 15 dias apresente sua defesa prévia, mas, devido à gravidade dos fatos, vamos notificá-lo para a audiência especial", disse Gomes. Mesmo após a suspensão do profissional, o processo continuará, até a punição definitiva, que pode ser de censura, multa, suspensão por até um ano e exclusão da profissão. Também o atual advogado de Belo será chamado a se explicar na OAB. "Seo cantor vier a público e disser que não autorizou a divulgação da fita, o advogado terá, em tese, quebrado o sigilo profissional e violado o Estatuto", explicou.O advogado Michel Assef, que começou a trabalhar hoje na defesa de Belo, disse que a divulgação da fita compromete o cantor. ?A primeira gravação não prova nada. Falar com traficante não é crime. Mas pagar o advogado, supondo que o dinheiro seriaentregue a policiais, é crime de corrupção. Essa divulgação é inoportuna. Nunca vi uma coisa dessas?, afirmou. Assef disse que quer tentar convencer Belo a se entregar. ?Ele não é bandido para ficar fugindo?, afirmou. Diante da informação de que o cantor fez a exigência de se entregar à governadora Benedita da Silva, ela negou a possibilidade. ?A governadora tem secretários legítimos para isso?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.