Polícia rastreia celular de suspeito da morte de Glauco

Policiais do Garra afirmam que uma das ligações foi realizada de Cotia, na Grande São Paulo

Josmar Josino - Jornal da Tarde,

14 de março de 2010 | 18h03

Policiais do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra), que estão na delegacia de Osasco, afirmam que o celular usado pelo estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, suspeito de assassinar cartunista Glauco Villas Boas e o filho dele Raoni, está sendo rastreado. 

 

Ainda segundo os policiais, uma das ligações que o jovem fez desde o dia do crime partiu da cidade de Cotia, na Grande São Paulo. Eles também contaram que Carlos Eduardo já foi procurado em várias regiões, como Vila Mariana, zona sul, e Pinheiros, na zona oeste.

 

Veja também:

Motorista que estava com suspeito de matar Glauco se entrega

Polícia busca suspeito de matar Glauco em casas de familiares

 

 

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 24 anos, é o principal suspeito de ter assassinado o cartunista Glauco Villas Boas e seu filho Raoni na sexta-feira, segundo informações do delegado Arquimedes Cassão Veras Jr., do Setor de Investigações Gerais (SIG) da Delegacia Seccional de Osasco.

 

Agentes de dez delegacias da região foram destacados para procurar o suspeito, que segue foragido desde o momento do crime, na madrugada da sexta-feira. Segundo o delegado, os policiais ainda procuram corpos com as características de Nunes, já que consideram a hipótese do suicídio do suspeito. Os policiais buscam também uma segunda pessoa, ainda não identificada, que teria ajudado o suspeito a fugir após o crime.

 

A Polícia não descarta a possibilidade do suicídio de Nunes por conta de seu comportamento na ocasião do crime, quando ameaçou se matar, segundo algumas das testemunhas ouvidas pelos investigadores. De acordo com as investigações, o suspeito queria sequestrar o cartunista e a família e levá-los a sua casa. Ele acabou disparando dez vezes, acertando quatro tiros em cada vítima.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.