Polícia reforça segurança em Osasco

A Polícia Civil e a Militar descartam ahipótese de atuação de grandes traficantes em Osasco (SP), mas mesmo assim a segurança no município foi reforçada nesta quinta-feira paraevitar a repetição do clima de terror que levou lojas, escolas e hospitais a fechar as portas mais cedo nesta quarta-feira.A operação concentrou-se no Jardim Conceição, onde bandidos teriam ordenado toque de recolher, em represália à morte do traficante Cícero Peixe da Silva, durante confronto com a polícia. Mais de 50 PMs e 14 carros circularam pelo bairro, masas únicas prisões registradas até as 20 horas tinham ocorrido no vizinho Jardim Oriental.Gilberto Silva Borges Vieira foi preso por tráfico de entorpecentes. Com ele foram apreendidas 30 trouxinhas de maconha, crack e cocaína. Três mulheres que estavam em sua casaforam detidas.À noite, a Secretaria de Segurança Pública divulgou nota informando que a operação no Jardim Conceição terminou sem incidentes. Dez pessoas foram presas em outros pontos da cidade,entre elas três foragidos do sistema penitenciário, um assaltante e dois homens, por porte ilegal de armas.Segundo o comandante da operação, coronel Reginaldo dos Santos, buscas também seriam realizadas no bairro do Jaguaribe. "Temos informações de que os marginais que espalharam o pânico no Jadim Conceição estariam escondidos lá, num hospital abandonado."Para Santos, o medo que tomou conta da comunidade foi "importado" do Rio. "As pessoas estão impressionadas com a situação no Rio, e os delinqüentes aproveitam o momento paratentar criar um clima semelhante. Mas vamos mostrar a eles que aqui a história é diferente. Aqui, imperam a lei e a ordem.""A região não tem grandes e nem médios traficantes. Em Osasco não tem arrastão e nem toque de recolher", assegura o delegado seccional de Osasco, Nicanor Nogueira Branco. "Aspessoas estão impressionadas, e é fácil tirar proveito espalhando o pânico com um simples boato."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.