Polícia resgata nove reféns de assalto a fábrica de joias no RS

Dono do estabelecimento disse não ter estimativa do prejuízo provocado pelo roubo

Lucas Azevedo, de O Estado de S. Paulo - Texto atualizado às 23h36,

30 Dezembro 2012 | 18h33

PORTO ALEGRE - A polícia do Rio Grande do Sul conseguiu libertar os nove reféns do assalto a uma fábrica de joias no município de Cotiporã, na serra gaúcha. O resgate das vítimas ocorreu por volta das 23h deste domingo. Segundo o quartel da polícia instalado no município, todos estão bem.

As pessoas foram encontradas em uma região de mata na localidade de Linha Santa Lúcia, perto da casa onde foram surpreendidas. A área em que as vítimas foram achadas estava sendo vasculhada desde a tarde de domingo.

 

Três dos assaltantes morreram nos embates com a polícia, um deles o foragido mais procurado do Estado, Elisandro Rodrigo Falcão. Os outros cinco criminosos que participaram da ação ainda não foram presos, segundo o comandante-geral da Polícia Militar, capitão Sergio Abreu.

 

O ataque à fábrica ocorreu às 2h da madrugada deste domingo e os bandidos fugiram com nove reféns, utilizados como escudo humano. Sete foram libertados durante a ação da polícia, mas os bandidos invadiram uma casa e fizeram reféns outras sete pessoas de uma mesma família, incluindo uma criança.

Explosivos. Os oito criminosos que explodiram a fábrica de joias utilizaram grande carga de explosivos, segundo testemunhas. Elas dizem que foram cerca de dez explosões: "Parecia que o mundo viria a baixo", afirmou um dos reféns do grupo que não quis se identificar.

Conforme um dos proprietários da empresa, que pediu sigilo de sua identidade, parte da estrutura do prédio foi danificada pela dinamite. "Um cofre caiu de um andar para outro", disse.

Ele afirmou que ainda não foi possível contabilizar o que foi roubado, já que ainda há muitas joias entre os escombros. Mas admite que, depois das últimas três tentativas de assalto à empresa - inclusive com sequestro -, a instrução para os funcionários é deixar o menor número possível de peças dentro do estabelecimento.

"Ainda não sabemos o quanto foi levado. Esses R$ 300 mil que estão dizendo é mera especulção. Até porque os pedidos de final de ano já foram todos entregues. Além disso, é política da empresa deixar o mínimo de mercadorias na fábrica", declarou.

Segundo o empresário, câmeras de segurança gravaram ao menos parte da ação dos bandidos. Segundo ele, chamou a atenção a preocupação de um dos criminosos com a imagem de uma santa dentro da fábrica. "Um deles, talvez devoto, teve o cuidado de proteger a imagem, retirando ela do local da explosão. A santa está intacta, ao lado do buraco na parede."

Conforme o dono da fábrica, os sócios descartam a possível participação de antigos funcionários da empresa no ataque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.