Polícia retoma negociação em presídio de Maringá

Rebelião liderada por 50 detentos se iniciou na tarde deste domingo e já é a 22ª em penitenciárias do Paraná desde dezembro de 2013

Julio Cesar Lima, Especial para O Estado

20 Outubro 2014 | 09h22

CURITIBA - A rebelião na Penitenciária Estadual de Maringá, no noroeste do Paraná, ainda permanece sob um impasse. Foram retomadas na manhã desta segunda-feira, 20, as negociações para tentar colocar fim ao motim iniciado no final da tarde deste domingo, 19, após o horário de visitas da unidade.

Um grupo de 50 presos - capacidade da galeria onde começou a rebelião - rendeu dois agentes penitenciários, que ainda permanecem como reféns e exige a transferências de presos para as unidades de Londrina, Curitiba e Foz do Iguaçu. Essa é a 22ª rebelião ocorrida no Paraná desde dezembro do ano passado.

A unidade tem capacidade para 400 presos e no momento da rebelião mantinha, segundo a Secretaria de Estado da Justiça, 374 detentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.