Luciano Nagel/Estadão
Luciano Nagel/Estadão

Polícia suspeita de motivação passional para morte em aeroporto

Suspeitos pelo crime foram identificados. A polícia divulgou imagens da execução; assista ao vídeo

LUCIANO NAGEL, Especial para O Estado

19 de setembro de 2016 | 19h06
Atualizado 19 de setembro de 2016 | 21h37

PORTO ALEGRE- Um rapaz foi executado com ao menos dez tiros dentro do Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, na manhã desta segunda-feira. Marlon Roldão, que completava 18 anos nesta segunda-feira, 19, estava, por volta das 11 horas, com familiares no portão de embarque do Terminal 2 quando dois homens chegaram e fizeram disparos de pistola 9 mm contra ele. Os tiros atingiram o peito e a cabeça do jovem. Ninguém mais se feriu.

A Polícia Civil acredita que o crime tenha sido passional. Roldão já teria sido ameaçado anteriormente por causa de uma suposta relação, segundo o delegado da Divisão de Homicídios, Gabriel Bicca. Ele não tinha antecedentes criminais.



Parte do saguão do Terminal 2 teve de ser interditada para a realização do trabalho da perícia. De acordo com o diretor do Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul, Cleber Müller, câmeras de segurança do terminal flagraram a execução e a fuga dos criminosos. Até a noite desta segunda, porém, ninguém havia sido preso. A Polícia Civil afirma que já tem a identificação dos criminosos.

Os peritos teriam encontrado ao menos 20 cápsulas deflagradas no saguão do aeroporto.

Segundo testemunhas, Roldão estava no aeroporto com familiares para se despedir de um amigo que iria viajar, quando foi abordado pelos dois homens, que dispararam em seguida e fugiram. No mesmo local, torcedores do Grêmio aguardavam o desembarque do novo treinador do time, Renato Gaúcho, que vinha do Rio. Eles relataram momentos de pânico durante a ação.

“Eu estava esperando o Renato chegar e, quando vi, começaram os tiros. Todo mundo saiu correndo. Eu vi um cara entrando no carro e saindo em fuga na direção da Freeway (BR-290)”, afirmou um rapaz, que não quis se identificar. Outro torcedor que também estava no local e também não se identificou, afirmou que pensou que os tiros fossem fogos de artifício disparados para celebrar a chegada de Renato Gaúcho. “Achei que eram fogos, mas, quando olhei para trás, vi os taxistas correndo e me abaixei. Pude ver o cara (criminoso) saindo correndo e entrando no carro”, afirmou.

Os criminosos fugiram em um veículo Chevrolet Cobalt cinza. O carro foi abandonado logo em seguida nas imediações do aeroporto.

Sem afetar voos. A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que administra o aeroporto, informou, por meio de nota, que os voos não chegaram a ser suspensos e colabora com as investigações. Até as 15 horas, apenas dois voos haviam atrasado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.