Polícia suspeita de PCC em ataques no interior de São Paulo

A Delegacia de Defesa da Mulher de Pindamonhangaba, e uma agência bancária, em Taubaté, no Vale do Paraíba, no interior de São Paulo, foram atacadas durante a madrugada desta quarta-feira, 12. A Polícia Civil iniciou as investigações e mesmo sem revelar detalhes do que foi apurado, afirmou que os ataques estão supostamente relacionados a criminosos envolvidos com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).Na delegacia, documentos, computadores e móveis foram queimados. Os vidros da recepção foram quebrados e através deles, uma bomba de fabricação caseira foi lançada no interior da delegacia. Os vizinhos escutaram o barulho e sentiram o cheiro do fogo que deixou marcas nas paredes do prédio. Os bombeiros conseguiram deter o incêndio e também desarmaram uma granada, que não explodiu, lançada no fórum da cidade. Por medida de segurança, o fórum funcionou com as portas fechadas e a delegacia também colocou cones em frente ao prédio.Em Taubaté, uma agência da Caixa Econômica Federal do centro da cidade foi metralhada. Segundo vizinhos do banco, quatro homens armados com metralhadoras deram 25 tiros contra as portas de vidro, caixas eletrônicos e paredes da agência. "Foi assustador, acordamos com os tiros e ficamos apavorados", contaram os moradores, pedindo para não serem identificados. As cápsulas foram recolhidas pela polícia e apesar dos estragos o banco funcionou normalmente nesta quarta.A polícia não descarta novos ataques na região e informou que está preparada para revidar. O policiamento nas ruas foi reforçado, principalmente durante a noite e nas proximidades dos presídios. "Foram ataques covardes e a PM está reagindo, com todo o efetivo nas ruas. Pedimos que as pessoas não mudem sua rotina, não se assustem, nem entrem na onda de boatos", disse o capitão Ricardo Brandão.UbatubaEm Ubatuba o trânsito na rua de acesso à delegacia também foi interditado por medida de segurança. Os 16 detentos que ocupavam uma cela da delegacia feminina e que na semana passada foram colocados dentro de um caminhão foram transferidos para outras unidades prisionais na última terça-feira. Na tarde desta quarta somente quatro homens ocupavam uma pequena cela da cadeia, onde há 59 mulheres. "Depois das transferências a situação ficou melhor", contaram os policiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.