Polícia suspeita que caminhoneiro matou mais crianças

O delegado seccional de Santos, João Jorge Guerra Cortez, está investigando se o caminhoneiro Douglas Baptista, preso por matar oito crianças, cometeu outros crimes. Como ele viajou muito e residiu em várias localidades, como Santos e Porto Alegre, podem ter acontecido assassinatos nessas cidades. "O Douglas não confirma, mas acreditamos que ele tenha morado em Curitiba", disse. "Estamos fazendo um minucioso levantamento de crianças desaparecidas nesses municípios".O delegado afirmou que Douglas Baptista não tem vícios, não usa drogas. "Nem álcool ele consome". Para ele, o caminhoneiro é uma pessoa sã, sem problemas mentais. "Ele é frio, inteligente, sádico". Além de tudo, o delegado disse que, diante do modo de agir do assassino, se infiltrando na casa da vítima, se transformando em amigo da família, ganhando a confiança das crianças, ele é premeditado. "As crianças confiavam nele, sem hesitar".Douglas Baptista matou oito crianças com idade variando entre 5 e 12 anos, entre 1992 a 2003 na Baixada Santista, no litoral paulista. "Matava por impulso", disse o delegado. Ele manteve o mesmo modo de matar ao longo dos anos. Amarrava as vítimas e as jogava em um rio ou no mar. "Ele disse que tem prazer em ver as crianças se afogando, morrendo", disse o delegado. "Ele contou que caiu em uma piscina, quando criança, e quase morreu".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.