Divulgação/Polícia Civil do Pará
Divulgação/Polícia Civil do Pará

Polícia suspeita que jovem tenha sido morta em ritual satânico no Pará

Em gravação, acusado dá detalhes do crime; Cintia da Silva Oliveira foi encontrada em cova rosa

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

18 de agosto de 2010 | 14h18

SÃO PAULO - A Polícia Civil do Pará está investigando se a morte de uma adolescente, no bairro do Benguí, na periferia de Belém, no mês passado, está relacionada a rituais satânicos. Cintia da Silva Oliveira, de 16 anos, foi encontrada morta em uma cova rasa dentro das dependências do desativado cemitério do bairro, em 21 de julho deste ano.

 

Dois acusados de envolvimento na morte - Ezequiel Abreu Calado, de 18 anos, e Nancy Danielly da Silva Amorim, de 18 anos - foram detidos na terça-feira, 17. Dois adolescentes, um rapaz de 15 e uma moça de 16 anos, também foram apreendidos.

 

Segundo a polícia, eles são apontados como responsáveis em planejar e executar o crime. Nancy, em depoimento, admitiu ter atraído a vítima até o encontro de Ezequiel - que, por sua vez, levou a jovem até o antigo cemitério do Benguí, onde a matou. As circunstâncias da morte e a motivação do crime ainda são alvo de investigações.

 

Ritual. A DH aguarda os laudos periciais de local de crime e de necropsia realizados por peritos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. Segundo a polícia, o surgimento de uma gravação feita por um internauta do Rio Grande do Sul fez agilizar as investigações.

 

Na gravação, obtida por uma emissora de TV, o rapaz conversa com uma pessoa, que seria Ezequiel, que confessa a autoria da morte da jovem e dá detalhes sobre o crime. A gravação será enviada para perícia fonética. O delegado salienta que será investigada a hipótese de que o crime pode ter vinculação com um ritual de vampirismo, conforme sugerem trechos da gravação.

 

Além das prisões dos adultos e apreensões dos adolescentes, os policiais apreenderam nas casas dos acusados objetos que podem ter vínculo com rituais, como uma máscara de monstro (com pintura simulando sangue e baratas) e objetos que sugerem envolvimento com movimentos ocultistas.

Tudo o que sabemos sobre:
Paráocultismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.