Polícia suspeita que viciado em drogas forjou seqüestro

A Polícia Civil de Ribeirão Preto está investigando suposto caso de seqüestro de um jovem, de 26 anos, que começou na segunda-feira, 13, e terminou na noite de quinta, 16. Dois homens foram presos em flagrante e outros seis detidos para averiguação, mas liberados em seguida. A família do seqüestrado avisou a Polícia Militar, que fez o flagrante no momento do pagamento do resgate. Porém, o advogado dos dois homens detidos disse que o rapaz, dependente de drogas, teria planejado o próprio seqüestro para pagar dívidas. Fernando Barroso de Oliveira, de 26 anos, tinha se afastado das drogas no último ano, ficando internado numa clínica de recuperação até cerca de 30 dias atrás, mas voltou recentemente a ser usuário, segundo seu pai, Gilmar Hamilton Oliveira. Ele tinha contraído uma dívida com traficantes de cerca de R$ 300, mas, sem o pagamento, teria sido seqüestrado. Os traficantes estariam tentando extorquir dinheiro da família. O boletim de ocorrência foi registrado como extorsão mediante seqüestro.Para libertar Fernando, pediram inicialmente R$ 5 mil, mas reduziram para R$ 2 mil o valor que seria pago. Porém, os pais, temendo que o filho não fosse libertado depois do pagamento, avisaram a polícia, que fez o flagrante de Jonatas Mateus Lima, de 19 anos, e Rafael Lucas de Souza Silva, de 20, quando estes pegavam o dinheiro na casa da vítima, no Jardim Califórnia. Eles estavam numa Brasília, que foi apreendida.A dupla levou os policiais ao cativeiro, um barraco na Favela do Brejo, nos Campos Elíseos. Lá estavam Fernando e seis homens com passagens pela polícia, que foram detidos para averiguação. Foram encontrados no local objetos para consumo de crack e roupas de Fernando, que tomou sedativos e não reconheceu os seis homens. Lima e Silva foram levados ao Centro de Detenção Provisória (CDP). No cativeiro, Fernando Oliveira não foi agredido, mas também não alimentado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.