Polícia suspende reconstituições de crimes no RS

A presença cada vez maior de moradores de Passo Fundo em cada reconstituição dos crimes do biscateiro Adriano Vicente da Silva, que confessou Ter matado oito crianças, levou a polícia a suspender os trabalhos naquela cidade do norte do Rio Grande do Sul. ?A população não está nos deixando à vontade?, explicou o diretor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), João Paulo Martins, nesta quinta-feira, ao anunciar que não há nova data para Silva levar os peritos aos locais onde esteve em contato com Jeferson Borges da Silveira, de 10 anos, e Volnei Siqueira dos Santos, de 12 anos, durante o inverno do ano passado.Silva chegou a assumir o assassinato dos dois meninos, mas caiu em contradição e voltou atrás, excluindo essas mortes eoutras duas de Soledade das 12 que havia confessado inicialmente. Continuou admitindo, no entanto, que esteve com osmeninos na época dos crimes ? para os quais há oito indiciados - e é esse envolvimento que vai remontar quando a políciaentender que há condições para isso. Nesta quinta-feira Silva saiu de Passo Fundo para reconstituir mais duas ? as últimas da série - das oito mortes que continua assumindo. Em Sananduva ele mostrou como atraiu Daniel Bernardi Lourenço, de 13 anos, com a promessa de comprar picolés, e como matou o menino, numa descrição que confirmou dados da perícia. Em Lagoa Vermelha, encenou a armadilha que criou para o vendedor de bilhetes de loteria Ederson Leite, de 12 anos. Mas não foi tão preciso como na outra reconstituição do dia. ?Há indícios fortes, mas ainda não conclusivos, da autoria do crime?, comentou Martins.Pelas investigações já feitas, os policiais acreditam que o maníaco agiu sozinho em seis casos, pode ter contado com a ajudade cúmplices em dois e pode ter participado como co-autor das outras quatro mortes.A partir desta sexta-feira a polícia vai cruzar informações dos inquéritos, tomar depoimentos das novas testemunhas quesurgiram e, possivelmente, submeter o maníaco e as sete pessoas presas e sete indiciadas pela morte de quatro crianças emSoledade e duas em Passo Fundo a acareações. Em entrevista coletiva, Martins disse que a polícia nunca deixou de analisar as ligações entre a série de 12 mortes de criançasocorridas entre agosto de 2002 e janeiro de 2004. Mas lembrou que Silva só surgiu como suspeito no penúltimo desaparecimento, de Leonardo Dorneles dos Santos, em outubro do ano passado. Também lamentou que a idade e a situação social e econômica tornem milhares de crianças vulneráveis e lembrou que em suas andanças de policial vê menores sozinhos nas ruas diariamente, expostos a ataques de estranhos. ?A hora que surgir alguém disposto a matar vai encontrar vítimas em potencial novamente?, advertiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.