Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Polícia tenta convencer manifestante a descer de árvore no Museu do Índio

Suposto índio protesta desde as 9h30 pendurado a 4 metros de altura; ativistas são contra divisão de terreno com outros empreendimentos do governo

Marcelo Gomes e Sergio Torres, O Estado de S. Paulo

16 Dezembro 2013 | 15h09

RIO - Policiais militares do Batalhão de Choque arrastaram à força dez manifestantes que permaneciam sentados em volta de uma árvore próxima ao Museu do Índio, na zona norte do Rio, onde está um homem de cocar pendurado a um galho, a 4 metros de altura.  O suposto índio protesta desde as 9h30 contra a retirada de indígenas e ativistas da área do antigo museu, vizinho ao estádio do Maracanã.

Os manifestantes foram agarrados e retirados do entorno da árvore pela PM, que agora cerca o tronco com grades. Identificado não-oficialmente como Urutau Guajajara, o homem permanece quieto na maior parte do tempo. Além do cocar de penas coloridas, veste apenas uma bermuda.

O Corpo de Bombeiros estendeu uma escada do tipo magirus em direção à arvore, mas o homem recusou-se a descer.

No momento, há 20 PMs dentro da área cercada. Eles estudam com os bombeiros o que fazer para tirar o suposto índio do galho alto. O suposto indígena pediu água. Um bombeiro lhe entregou um copo.

O conflito aconteceu às 12h30. Havia 30 manifestantes sentados em protesto nas imediações do tronco. A PM mandou todo mundo sair. Só dez ficaram, e acabaram arrastados em meio a gritos e ameaças. Um homem, que dirigia desaforos a policiais e jornalistas, foi preso em flagrante. Os demais chamavam os PMs de "cachorrinhos do Cabral" (referência ao governador Sérgio Cabral).

Junto a eles, uma faixa pergunta, em inglês, onde foram parar os ossos do pedreiro Amarildo de Souza, morto pela PM em julho, na favela da Rocinha (zona sul). O corpo jamais apareceu.

Mais conteúdo sobre:
museu do índio árvore choque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.