Polícia usa mansão de traficante como base de operações

A casa de quatro andares do traficante Lulu, no alto da Favela da Rocinha, foi aberta no final da manhã para a imprensa. O local, bastente revirado, mostra que o traficante levava uma vida de classe média, cercado por mordomias como banheira de hidromassagem, piscina, sauna, salões de jogos e quarto espelhado, que funcionava também como discoteca. Só a cozinha da casa ocupa uma andar inteiro e é equipada até com churrasqueira. A Polícia Militar usa a casa de Lulu como base de operação. Já há colchões para os policiais de plantão que passam a noite ali. Sete pessoas foram detidas hoje na favela, duas delas com bombas de fabricação caseira e pistolas de calibre 45. Entre os detidos estava o pedreiro Ivanildo Alves Ribeiro, de 24 anos, que trabalhava numa obra quando a polícia chegou. "Estou achando essa situação horrível. Eles têm de prender quem faz coisa errada. Ivanildo estava terminando uma obra", disse Jaílton Alves Ribeiro, de 29 anos, irmão do rapaz. As identidades dos outros presos ainda não foram divulgadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.