Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Polícia vai avaliar um por um pedidos de proteção a juízes

A Polícia Federal vai analisar caso a caso os pedidos de proteção a juízes que atuam no combate ao narcotráfico e ao crime organizado. A pedido do Ministério da Justiça, a PF está fazendoum levantamento para identificar os casos prioritários de juízes e integrantes do MinistérioPúblico que estejam sofrendo ameaças.Se tivessem que atender a todos os pedidos de proteção para os juízes do País, não haveria agentes federais suficientes, dizem fontes da PF.O detalhamento está sendo feito a pedido do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, depois do assassinato dos juízes de Presidente Prudente, Antônio José Machado Dias, e de Vitória, Alexandre Martins de Castro Filho.No País, são 5.114 agentes federaisque podem ser destacados para o trabalho de segurança em caso de solicitação, número considerado até reduzido para a nova missão.Segundo informações da PF, para cada magistrado será necessário destacar uma equipe de seis homens, porque estão previstos turnos de trabalho dos agentes durante o dia e parte da noite. Há preocupação com o atendimento de todas as solicitações de proteção especial, porque a Polícia Federal poderia ter de paralisar outros trabalhos.Por isso, o Ministério da Justiça espera também que os governos estaduais ofereçam policiais militares e civis para garantir a segurança especial de juízes, procuradores e promotores ameaçados.Segundo o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Marco Aurélio Mello, os Estados são os responsáveis pela segurança dos integrantes da Justiça e dos cidadãos em geral. Sobre a eventual dificuldade dos governos estaduais para atender às demandas daJustiça, Marco Aurélio afirmou que os Estados devem contratar mais homens para asPolícias Militar e Civil."Eu não posso imaginar que o Rio de Janeiro, com um contingente de 26 mil policiais militares, não possa dar segurança aos juízes da área criminal. Agora, se não se tem efetivo suficiente, que se constitua o efetivo. O interessado na segurançado Judiciário é o cidadão que paga impostos", afirmou o presidente do STF. Ele concorda com a preocupação de que não se pode desfalcar a equipe de policiais que atua no patrulhamento das ruas para dar segurança aos magistrados. "Concordo que não se pode descobrir um santo para cobrir o outro, mas não é o caso. Épreciso que o Estado venha a se aparelhar para dar combate ao crime. A segurançapública é dever do Estado", declarou o ministro. Veja o especial:

Agencia Estado,

27 de março de 2003 | 19h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.