Polícia vai escoltar ônibus que circulam no centro de Florianópolis

Capital catarinense é a segunda cidade mais atingida por atentados no Estado

Júlio Castro, Especial para o Estado,

07 Fevereiro 2013 | 15h55

FLORIANÓPOLIS - O prefeito de Florianópolis César Souza Júnior (PSD) determinou a locação imediata de 20 veículos destinados a escolta policial dos ônibus que atendem as comunidades do Maciço do Morro da Cruz, na região central da Capital. Desde a última terça-feira, ocasião em que um ônibus da empresa Transol foi completamente incendiado em ação criminosa de integrantes da facção Primeiro Grupo Catarinense (PGC), que 14 linhas deixaram de atender a comunidade por questões de segurança.

"Não é justo que as comunidades mais carentes sejam segregadas por conta dos ataques terroristas que atingem a cidade", justificou o prefeito. Na retomado do serviço, nesta quinta-feira, cada ônibus será acompanhado por um carro descaracterizado e com policiais a bordo.

A onda de atentados que iniciou na noite do dia 30 de janeiro já teve 74 ocorrências em 24 cidades catarinenses. Florianópolis é a segunda cidade mais atingida com 11 ações criminosas, sendo cinco contra ônibus de transporte urbano. A Polícia Militar informou no início da tarde desta quinta-feira que mais um ônibus foi incendiado.

O 9º atentado do dia ocorreu em São João Batista, na Grande Florianópolis. Dois homens incendiaram um ônibus de uma banda de música que estava estacionado em frente a casa do proprietário. Os autores não foram presos. Pelo menos 110 pessoas estão entre suspeitos e envolvidos nos crimes e polícia prendeu apenas 22.

Mais conteúdo sobre:
Atentados Santa Catarina

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.