Polícia vai pedir quebra de sigilo telefônico do coronel

A polícia vai pedir a quebra do sigilo telefônico do coronel da reserva e deputado estadual (PTB) Ubiratan Guimarães, 63 anos, assassinado no final de semana em seu apartamento, nos Jardins, zona sul de São Paulo, de acordo com informações da TV Globo. O coronel recebeu o telefonema de uma mulher, por volta das 18 horas de sábado,09. Por causa da ligação, houve uma discussão entre Guimarães e a namorada dele, Carla Cepollina, que estava no apartamento naquele momento. Ubiratan foi encontrado morto por volta das 22 horas de domingo, 10, em seu apartamento na Rua José Maria Lisboa, no Jardins, em São Paulo.Ubiratan Guimarães recebeu cinco telefonemas entre a noite de sábado e a noite de domingo, quando seu corpo foi encontrado por assessores, de acordo com informações de um perito que acompanha a investigação. Foram verificados três recados deixados em sua secretária eletrônica, segundo informações da TV Globo. NamoradaCarla Prinzivalli Cepollina, 39 anos, namorada do coronel ainda está prestando depoimento como testemunha no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Carla chegou ao DHPP por volta das 10h40, acompanhada da mãe, a também advogada Liliana Prinzivalli. De acordo com informações da polícia, a mãe de Carla também foi ouvida nesta terça-feira. Na segunda-feira, 11, a namorada entregou ao DHPP as roupas que usava no dia do crime - calça verde-escuro, blusa e jaqueta de couro pretas, sapatos e bolsa também pretos. Ela não chegou a ser submetida a exame residuográfico porque, segundo a polícia, seria inconclusivo por causa do tempo passado depois do crime.ArmaO Instituto Médico Legal (IML) confirmou nesta terça-feira que Ubiratan Guimarães, 63 anos, foi morto por um tiro de uma arma calibre 38. Das sete armas que o coronel mantinha em casa - cinco revólveres calibre 38, uma pistola calibre 7,65 mm e uma espingarda calibre 12 -, a polícia ainda não encontrou justamente um revólver calibre 38, o que reforça a possibilidade de que ele tenha sido baleado com uma de suas próprias armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.