Polícia vigia mala com cocaína em Amsterdã

Holandeses só esperam que comparsas da máfia libanesa tentem retirar droga em aeroporto

Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2006 | 00h00

Uma mala cheia de cocaína está parada no Aeroporto de Amsterdã. Ela foi enviada para a Holanda na semana passada pela máfia libanesa, por uma ''''mula'''', que na volta trouxe os 4.300 comprimidos de ecstasy apreendidos em São Paulo. ''''A polícia holandesa está só aguardando alguém ir buscar a mala'''', contou o diretor do Denarc, Everardo Tanganelli Junior. A polícia sabe que a mala com cocaína está no aeroporto porque monitorava os passos do ramo da máfia libanesa comandado por Nagib Ali Hendous e Feiz Moraes Saleh havia mais de um mês. Os investigadores sabiam que uma mula voltara com um carregamento de ecstasy, entregue à professora Andressa Oste Pettena Facca. ''''Nossa intenção era prender o grupo quando se reunisse.'''' Essa oportunidade surgiu na segunda-feira, quando Andressa marcou dois encontros no Shopping Tatuapé, zona leste. O primeiro foi com os patrões libaneses e o segundo, com a comparsa Jussara Alves de Souza. Jussara, segundo o Denarc, recebeu de Andressa a tarefa de guardar os comprimidos de ecstasy. Quando resolveram agir, os policiais perderam de vista Jussara, mas prenderam Andressa. A professora, que morava num flat no Ibirapuera, zona sul, estava com 13 comprimidos de ecstasy. Os policiais não sabiam seu nome verdadeiro, porque ela se apresentava com um documento em nome de Rafaela Vieira da Cruz. Só depois de verificar as digitais é que descobriram sua identidade. O Denarc apurou que na terça-feira Andressa teria um novo encontro com Jussara no Shopping Tatuapé. Ficaram à espera de Jussara e a prenderam. ''''Pelo monitoramento, sabíamos que a Andressa iria se encontrar com os libaneses depois'''', afirmou o delegado Carlos Battista, do Denarc. Foi assim que os policiais flagraram Hendous e Saleh num McDonald''''s nos Jardins. Os dois acusados não deram entrevista ontem no Denarc. Andressa disse apenas que não podia ''''falar tudo'''' o que queria. Jussara ficou calada. Todos foram autuados em flagrante sob as acusações de tráfico de drogas e de associação para o tráfico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.