Policiais acusados de agressão na Cracolândia são afastados

Quatro policiais militares acusados de espancar usuários de droga na região da Cracolândia, no centro de São Paulo, foram afastados nesta quarta-feira, 7, do patrulhamento de rua e permanecem recolhidos na Corregedoria. As agressões foram filmadas por um cinegrafista amador e a fita entregue para a TV Globo. As cenas de violência são chocantes. No vídeo, um grupo de cinco rapazes e uma moça são revistados de frente para a parede, chutados e levam pontapés dos PMs, que chegaram a queimar as mochilas das vítimas. A filmagem mostra ainda que policiais usaram uma espécie de martelo para ferir um dos homens, que agonizava. As cenas foram registradas na Rua Guaianases, perto da Avenida Rio Branco. A Cracolândia é uma das regiões mais degradadas da Capital. Traficantes e viciados circulam dia e noite pelo local. O consumo de crack e maconha é feito na rua. Desde o ano passado o trecho está sendo revitalizado pela Prefeitura e pela polícia justamente para evitar que a região continue sendo ponto de encontro para usuários de droga. Enquanto assistia as cenas de agressão, a porta voz da Polícia Militar, a tenente Maria Yamamoto admitiu que o comportamento estava fora das normas. ?Os policiais trabalham de acordo com procedimentos operacionais padrões que determinam como deve ser feita a abordagem e esse tipo de atitude não está, de maneira nenhuma, preconizada nesses procedimentos padrões?, afirmou a tenente. Pelo vídeo, foi possível identificar quatro policiais.Todos foram afastados do serviço e devem prestar depoimento ao comando da PM. A investigação vai apurar se mais soldados estão envolvidos nas agressões. ?Pode resultar em expulsão e a instituição não compactua de maneira nenhuma com este tipo de atitude?, garantiu a tenente. Segundo a TV Globo, que veiculou as imagens, as revistas em pessoas que passam pela Cracolândia têm sido realizadas desde a semana passada.

Agencia Estado,

07 Fevereiro 2007 | 16h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.