Policiais ameaçam parar em 7 Estados

No RS, sindicato já tem aval dos agentes; confederação convocou entidades para reunião no dia 10, em Brasília

Bruno Paes Manso, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2008 | 00h00

Quarenta e cinco dias depois de iniciada a greve dos policiais civis em São Paulo, a onda de reivindicações começa a atingir outros Estados. Sindicatos de policiais civis de Rio Grande do Sul, Rio, Bahia, Amazonas, Acre, Paraná e Alagoas já ameaçam iniciar movimentos grevistas, caso as demandas da categoria não sejam atendidas. O Rio Grande do Sul é o Estado onde as possibilidades de greve são maiores. Entre os dias 4 e 6, os policiais civis vão parar por três dias. Além disso, a categoria votou em assembléia, na semana passada, um "indicativo de greve geral". "O governo analisa desde janeiro um projeto para regulamentar a aposentadoria especial dos policiais civis e até agora não fomos chamados para conversar. Caso o governo não inicie negociação, a tendência é partir para a greve", diz Emerson Aires, vice-presidente do Sindicato dos Servidores da Polícia Civil do Rio Grande do Sul. No Rio, o Sindicato dos Policiais Civis do Estado convocou ontem uma assembléia para votar o indicativo de greve. O baixo quórum, de cerca de 100 policiais, levou a organização a transferir a votação para o dia 17, na rua onde mora o governador Sérgio Cabral (PMDB). A categoria reivindica reajustes salariais e a reestruturação da carreira. Nas duas próximas semanas, haverá assembléias na Bahia, no Paraná e no Acre. No Amazonas, uma manifestação de policiais civis foi convocada para o dia 14. "Como trabalhamos junto à Zona Franca de Manaus, o movimento é forte e pode contagiar outros Estados da região", afirma Maurício Buriti, presidente do sindicato. Em Alagoas, onde a categoria ficou em greve entre março e agosto, os policiais aguardam a retomada das negociações com o governo para a regulamentação da aposentadoria especial. Caso isso não ocorra, uma assembléia será convocada no início do próximo ano. A insatisfação das polícias levou a Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol) a convocar uma reunião com todos os sindicatos de policiais civis no dia 10, em Brasília. "Vamos discutir um movimento nacional. Aposentadoria especial e reestruturação de carreira são as pautas em comum", diz o presidente, Jânio Gandra. Entre 14 e 16 horas de ontem, policiais civis de 14 estados e do Distrito Federal paralisaram as atividades em solidariedade ao movimento grevista de São Paulo, segundo balanço da Associação dos Delegados de Polícia do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.