Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Policiais cariocas conhecem pontos históricos para atender turistas

Objetivo é capacitar PMs para atuar em eventos internacionais como o Rio+20, em junho deste ano

Agência Brasil,

09 Maio 2012 | 18h57

RIO DE JANEIRO - Cerca de 30 alunos do Curso de Extensão de Policiamento em Áreas Turísticas, entre policiais militares e agentes da Guarda Municipal do Rio de Janeiro, iniciaram nesta quarta-feira, 9, uma série de visitas, acompanhados por guias turísticos, pelos principais pontos históricos da capital. A finalidade é conhecer melhor a cidade para melhorar a qualidade da informação ao visitante.

As visitas fazem parte de programa do Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas (BPTur) em parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF), que tem o objetivo de capacitar policiais militares para atuar em eventos internacionais como a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), em junho deste ano.

O professor do departamento de Turismo da UFF e idealizador do projeto, Marcelo Tomé, explicou que o BPTur tomou a iniciativa de pedir a montagem do curso para proporcionar aos policiais conhecimento mais amplo da cidade e, dessa forma, melhor atender ao turista. "O Batalhão de Turismo percebeu que o turista não conhece a cidade e seus locais mais perigosos", afirmou.

O curso foi iniciado na última segunda-feira, 7, no Morro da Urca, na zona sul da capital fluminense, e terá duração de seis semanas. A primeira turma é integrada por 35 policiais militares, que nesse período de especialização passarão por um estágio prático-operacional durante a realização da Rio+20.

Dentre as disciplinas lecionadas estão história, geografia e marketing turístico, além de línguas estrangeiras. Os policiais vão ter ainda noções de negociação de conflitos, policiamento comunitário, imunidade diplomática, policiamento em áreas turísticas, entre outros conhecimentos.

De acordo com subcomandante do Batalhão de Policiamento de Áreas Turísticas BPTur, tenente-coronel Renato de Souza Neto, o objetivo da parceria com a UFF é unir o saber técnico da Polícia Militar com o saber científico dos professores da faculdade. "O policial que terminar o curso vai se sentir mais preparado, mais importante e, dessa maneira, vai trabalhar muito melhor para o turismo", completou.

As aulas serão dadas no auditório do 19° BPM (Copacabana), mas estão programadas visitas técnicas a diversas áreas da cidade. A expectativa é de que o curso forme cerca de 100 policiais militares até 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.