Políciais civis do Rio fazem greve de 24 horas

No meio da crise de segurança pública do Rio, policiais civis fazem hoje uma paralisação de 24 horas para protestar contra os baixos salários e as más condições de trabalho. Pela manhã, cerca de 40 policiais portando fitas pretas no peito fizeram uma manifestação na porta da Polinter, na zona portuária do Rio, uma das delegacias afetadas pela greve. Um grupo de policiais manteve apenas a carceragem funcionando. A greve atinge somente as delegacias especializadas. Cerca de 1.200 policias suspenderam hoje as investigações, mas o trabalho nas delegacias comuns e a ação conjunta com policiais militares na Favela da Rocinha não foi prejudicado. No entanto, policiais que preferiram não se identificar, disseram que não têm condições de acompanhar o trabalho da Polícia Militar em áreas em conflito como a Rocinha. Faltam armamentos e infra-estrutura. De acordo com Fernando Bandeira, presidente do Sindicato dos Policiais Civis, a principal reivindicação de inspetores, oficiais cartoriais e peritos é a incorporação de gratificações de nível superior. Os sindicalistas querem uma audiência com a governadora Rosinha Matheus e planejam paralisar todas as delegacias do Estado no dia 28 de abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.