Policiais do Espírito Santo protestam por reajuste salarial

Policiais civis do Espírito Santo decidiram não entrar em greve, mas realizaram um protesto: levaram 30 presos que estavam em delegacias para a porta do Palácio Anchieta, sede do governo estadual, nesta sexta, 10. A hipótese de greve não está descartada. Insatisfeita com o reajuste de 8% oferecido pelo governo, a categoria realiza nova assembléia na quarta-feira. Pelo mesmo motivo, a Polícia Militar fez operação padrão ontem. Os presos chegaram ao Palácio Anchieta em dois ônibus. O presidente da Associação dos Investigadores da Polícia Civil, Júnio Fialho, disse que, no próximo protesto, a idéia é usar corpos recolhidos nas ruas. A PM vai protestar endurecendo a fiscalização sobre carros do governo estadual e imóveis públicos, que poderão ser interditados. Guardas municipais e empresas de segurança privada também estão na mira dos policiais, que ameaçam interditar estádios que não respeitarem as normas de segurança. O secretário de Segurança, Evaldo Martinelli, disse esperar bom senso dos PMs. "Aprovamos recentemente o plano de cargos e salários da PM. Não temos como avançar na proposta, sob risco de desordem financeira." Segundo ele, o reajuste representa gasto extra de R$ 36 milhões anuais e o aumento oferecido é o dobro do concedido aos demais servidores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.