Policiais do ônibus 174 vão a júri popular

Três policiais militares acusados da morte do assaltante Sandro do Nascimento, seqüestrador do ônibus 174, serão levados a júri popular. A decisão foi tomada anteontem pela juíza Maria Angélica Guimarães Guerra Guedes, do Quarto Tribunal do Júri, mas só foi divulgada hoje. O motorista do camburão onde Sandro foi morto, Paulo Roberto Alves Monteiro, e o soldado Luiz Antônio de Lima Silva, que estava no banco da frente do carro, não foram pronunciados.O capitão Ricardo de Souza Soares e os soldados Flávio do Val Dias e Márcio de Araújo David foram os policiais militares que dominaram o seqüestrador depois que ele desceu com o ônibus com uma refém, a professora Geisa Gonçalves Firmo. O soldado do Batalhão de Operações Especiais (Bope) Marcelo Oliveira dos Santos atirou com uma submetralhadora na direção do criminoso. Feriu Geisa, não acertou Sandro, que acabou matando a professora.O seqüestrador foi colocado ainda com vida no camburão, mas chegou morto à delegacia. Necropsia feita no Instituto Médico Legal descobriu que Sandro foi morto por asfixia.A juíza Maria Angélica ainda não marcou a data do júri popular. O advogado dos três policiais, Clóvis Sayone, pode recorrer da decisão da juíza. Hoje ele não foi encontrado para comentar a sentença. Segundo uma secretária ele está fora do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.