Policiais envolvidos em extorsão no DF

Em menos de uma semana, sete policiais civis de duas delegacias envolveram-se em crime de extorsão e seqüestro no Distrito Federal. Na última terça-feira, um motorista, que dirigia um Omega sem carteira, foi flagrado por policiais que exigiram R$ 20 mil para devolver o carro e não denunciá-lo. Na negociação, o valor baixou para R$ 6 mil e o motorista, liberado para providenciar o dinheiro, denunciou a extorsão à corregedoria da polícia, que identificou os agentes Herbert Ribeiro de Araújo, Joaquim Cardoso Filho e Roberto Flavio Dias Padilha, da 19.ª DP. Como não houve flagrante, esses policiais não foram presos, apenas afastados da função. Outros quatro policias, da 12.ª DP, foram presos em flagrante na sexta-feira passada. Os agentes Eudair de Souza, Edson Aparecido Alves, David Salles Junior e Fernando Antônio da Silva pediram a duas famílias resgates no valor de R$ 15 mil. Eles seqüestraram Renato Prata e Antônio Firmino Neto. O primeiro tinha três mandados de prisão por roubo, e o segundo responde a vários inquéritos por estelionato. Prata chegou efetivamente a pagar R$ 6 mil, que sumiram, assim como também desapareceu o carro em que estavam as duas vítimas. Por isso, o diretor interino da Polícia Civil, João Rodrigues dos Santos, desconfia que haja pelo menos mais um comparsa. "Pode ser outro policial ou civil", comentou Santos, depois de reunião com o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Atos Costa de Faria, para prestar contas das medidas tomadas. "São fatos gravíssimos e constrangedores", definiu o secretário Faria, incumbido pelo governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz, de adotar "providências enérgicas" para apurar com "urgência" as denúncias e demitir os envolvidos, se comprovada a culpa. O secretário acredita que esses casos sob investigação são "episódios isolados" e afirma que a Polícia Civil continua merecendo absoluta confiança do GDF e da população, porque "prevalecem os homens honestos e competentes".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.