Policiais federais e delegados desistem de entrar em greve

As federações de agentes e delegados da Polícia Federal decidiram não fazer uma nova greve na corporação. O movimento repetiria o ocorrido em novembro de 2005, quando delegados e servidores da Polícia Federal cruzaram os braços em São Paulo, Rio Grande do Sul e Espírito Santo em protesto contra condições de trabalho inadequadas e pelo abandono do canal de negociação salarial com o governo. A paralisação recebeu nome de Movimento pela Valorização da Polícia Federal e reivindicava reajuste de 30% nos salários. "Mas no final de março entra em vigor a Lei de Responsabilidade Fiscal, que proibirá esse aumento. Não vamos fazer mais greve: vamos, sim, na época das eleições, mostrar ao povo brasileiro como o policial federal paga do próprio bolso para fazer essas operações da PF que todos os dias aparecem na mídia", afirmou Armando Rodrigues Coelho Neto, presidente da Federação Nacional dos Delegados da PF. Francisco Carlos Garisto, presidente da Fenapef - Federação Nacional dos Policiais Federais, expediu comunicado contra quaisquer movimentos rumo à greve. Revista Consultor Jurídico

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.