Policiais ligados ao crime organizado na BA estão foragidos

O delegado-regional da Polícia Civil do extremo sul da Bahia, Gilberto de Souza Mouzinho, cinco policiais que trabalhavam com ele e mais dez pessoas estão foragidas desde o final de semana depois que o juiz da comarca de Eunápolis, Otaviano Sobrinho, decretou a prisão temporária de todos. Eles são acusados de formação de quadrilha, tráfico de drogas, assassinatos, roubo e receptação de veículos, além de outros delitos em Porto Seguro. O grupo, que seria comandado pelo delegado Mouzinho, (já exonerado da função pela Secretaria de Segurança Pública da BA) foi investigado durante dois anos pelo promotor João Alves Neto, de Eunápolis. Ele ouviu o depoimento de várias testemunhas, inclusive traficantes que resolveram colaborar com a promotoria. Mouzinho é acusado de chefiar o crime organizado na região. O delegado obrigava fornecedores de drogas e ladrões de veículos a participar do seu bando. O nome dos demais foragidos não foi divulgado. A informação da decretação da prisão do bando, enviada pelo juiz Sobrinho de Eunápolis para a Corregedoria da Polícia Federal em Salvador (que passou a investigar o caso por causa do trafico de drogas) acabou "vazando", permitindo a fuga dos envolvidos. As testemunhas do caso também desapareceram temendo serem mortas pelos acusados. Até a tarde de hoje, uma equipe da PF estava sendo aguardada na região para tentar prender os foragidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.