Policiais matam suposto membro do PCC em São José do Rio Preto

Policiais militares de São José do Rio Preto, na região Noroeste do Estado, mataram na madrugada desta terça-feira, 23, o detento Marcos Ribeiro Salvador, de 29 anos, foragido do Instituto Penal Agrícola (IPA) daquela cidade. Segundo a PM, Salvador foi morto depois de ter atirado contra os PMs durante uma perseguição pela rodovia Washington Luiz (SP-310), na altura do município de Uchoa, a 30 km de Rio Preto.Ele levou diversos tiros no peito, nos braços e no intestino, chegou a ser socorrido no Hospital Municipal de Uchoa, mas não resistiu aos ferimentos. Com ele, a polícia encontrou um revólver calibre 32, com as inscrições do Primeiro Comando da Capital (PCC).Segundo o boletim de ocorrência registrado na Delegacia de Uchoa, Salvador deixou o IPA ainda na noite de segunda-feira. Por volta das 0h30 de terça-feira, armado de revólver, roubou a motocicleta de José Táparo Ferreira, 34 anos, na área do 1º DP de Rio Preto. Ferreira foi levado com a motocicleta e, posteriormente, deixado às margens da rodovia SP-310.Salvador, então, passou a ser seguido por um carro policial da PM. Na altura do trevo de acesso ao bairro Japura, em Uchoa, a 30 km de Rio Preto, Salvador largou a motocicleta, sem gasolina. Quando a viatura se aproximou, ele atirou contra os policiais, que revidaram, acertando-o três vezes no braço, no tórax e no intestino.Além do revólver com a inscrição do PCC, os PMs encontraram com Salvador cartas da facção criminosa, cuja origem será investigada no inquérito aberto pela Polícia Civil para apurar o crime de resistência à prisão seguida de morte.Outra morteEm Reginópolis, na região de Bauru, Centro do Estado, o detento Cledivanio Santos Correia, de 26 anos, morreu na segunda-feira depois de ter recebido um tiro de bala de borracha na cabeça na última quinta-feira, 18. O tiro foi disparado por PMs que faziam a revista da Penitenciária 1 (P-1) de Reginópolis, após o fim da rebelião encerrada na terça-feira, 16.Segundo a PM, Correia e outros dois presos atrapalhavam a revista quando PMs dispararam contra eles, a uma distância de 15 metros. Uma das balas acertou a cabeça de Correia. O impacto causou ferimento a fratura de um osso do crânio. Correia foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), do Hospital de Base de Bauru, onde ficou até segunda-feira, quando veio a falecer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.