Policiais reafirmam que não sabem nada sobre morte de Juan no Rio

Menino de 11 anos despareceu em 20 de julho durante tiroteiro entre polícia e traficantes

Tiago Rogero, estadão.com.br

08 Julho 2011 | 15h02

RIO - Os quatro policiais militares suspeitos de envolvimento na morte do menino Juan de Moraes, de 11 anos, mantêm a versão de que nada sabem a respeito do desaparecimento do garoto. O advogado dos PMs, Edson Ferreira, disse nesta sexta-feira, 8, que conversou com eles sobre a operação policial do dia 20 de julho, última vez que Juan foi visco com vida.

 

"O que eles têm de notícias do menino, sabem pela imprensa", disse. O advogado afirmou que os policiais vão comparecer a reconstituição à noite. Ferreira não acredita que o fato de os policiais terem se envolvidos em 36 autos de resistência (morte de suspeito em confronto com a polícia) vá interferir em um eventual processo da Justiça. "Isto é algo normal para um policial que trabalho diariamente no combate à criminalidade", afirmou advogado.

Mais conteúdo sobre:
caso Juan polícia morte favela Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.