Policiais recusam suborno e prendem bandidos em SP

Dois casos chamaram a atenção, por causa da honestidade dos policiais. Cinco estrangeiros e dois brasileiros acusados de contrabando e um ladrão condenado a mais de 30 anos ofereceram dinheiro a policiais militares para não serem presos. Como resposta, foram algemados, entregues à Polícia Civil e autuados. O total das tentativas de suborno foi de R$ 35 mil.Por isso, os militares, de batalhões da zona sul da capital e de São Bernardo do Campo, foram elogiados pelos superiores. "Isso tem se repetido, se tornado uma rotina, e os policiais continuam cumprindo sua obrigação e mandando os criminosos para a cadeia", disse o coronel Renato Perrenaud, da Comunicação Social da Polícia Militar.Alexandre Ferreira Pires, o ET, autor de roubos a bancos carros blindados, prédios e apartamentos de luxo e ao Parque Hopi Hari, tentou subornar os militares no fim da noite desta terça-feira para não ser preso.Resgatado no dia 24 de maio na Rodovia Castelo Branco - numa ação que causou a morte de um policial militar -, ET foi cercado por investigadores numa casa no Capão Redondo, zona sul. Fugiu abrindo um buraco na parede da sala, trocou tiros e acabou preso por PMs.Com um colete à prova de balas e uma pistola calibre 45, ao ser levado para o 47º Distrito, do Capão Redondo, ET pediu para falar em particular com o tenente-aspirante Nucci, que chefiava os soldados responsáveis pela prisão.Ele ofereceu R$ 20 mil, a arma e o colete para ser liberado. Ao ouvir a proposta o tenente algemou o assaltante, deu-lhe voz de prisão e disse que, pela oferta, teria sua situação agravada.Considerado de alta periculosidade, ET chefiou o assalto ao prédio em que mora o jornalista Paulo Henrique Amorim, em abril de 2000, e tem encontrado desde 1996 facilidades para fugir da prisão.Autuado por porte ilegal de arma, resistência e tentativa de suborno, deverá ser ouvido no inquérito do resgate e morte do policial militar.Os chineses Zhao Li Hao, de 28 anos, Li Dong Hao, de 39, Wang Quang, de 29, Han Hai Chao, de 32, e o coreano Dong Lee, de 47, montaram uma fábrica de reprodução de CDs em sociedade com Waldomiro Pedro de Lima e Alexandre Mendes Bastos.Presos na madrugada desta quarta, tentaram comprar a liberdade oferecendo R$ 15 mil ao sargento Paulo Roberto Souza e ao cabo Carlos Alberto Soares, do 6.º Batalhão, de São Bernardo do Campo.Acabaram algemados e apresentados ao 3.º Distrito, de São Bernardo.A descoberta ocorreu depois de uma blitz dos PMs no centro de São Bernardo. Na revista a um carro Logus, de Bastos, os PMs encontraram 30 mil CDs falsificados.Bastos indicou a casa da Rua Santa Cecília, 77, Jardim Laura, onde funcionava a fábrica.Além de 300 mil CDs falsificados, de grupos e cantores conhecidos do País, os policiais apreenderam sete máquinas para a reprodução, importadas da China, computadores e discos.Os policiais disseram que os CDs eram vendidos para ambulantes e lojas de discos na capital, Grande São Paulo e shoppings.Os chineses e o coreano chegaram ao Brasil em janeiro deste ano pelo Paraguai. Todos foram autuados em flagrante por contrabando e falsificação. Os estrangeiros vão responder também a processo, na Polícia Federal, para serem expulsos do Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.