Policiais são acusados de espancar adolescente

Dois cabos da Polícia Militar do Paraná estão sendo acusados de terem espancado e ameaçado de morte um adolescente de 12 anos. O menino também teria sido mantido em cárcere, dentro da viatura, por cerca de meia hora, antes de ser entregue para a mãe. A Polícia Militar abriu uma sindicância para apurar o caso e afastou os dois policiais - uma mulher e um homem - do trabalho de rua. O assunto também está sendo investigado pela Polícia Civil.Segundo o pai do garoto, Marcos Pietrochinski, as crianças da escola onde ele estuda estavam fazendo uma festa, na tarde de ontem, para comemorar o fim das aulas. Entre as brincadeiras, eles começaram a jogar ovos uns nos outros. Algumas testemunhas e o próprio menino disseram-lhe que, em determinada hora, apareceram os cabos Ditmar e Marcos. Os meninos teriam se assustado e corrido.M.P. foi alcançado e agredido no rosto e nas costas, que ficaram com algumas escoriações. Hoje pela manhã, o estudante fez exames de lesões corporais. Depois das agressões, os policiais teriam colocado o menino dentro da viatura e levado para o Parque Iguaçu, onde ficam o zoológico de Curitiba e diversas cavas do Rio Iguaçu. "É do lado contrário de nossa casa", disse o pai de M.P. Segundo o adolescente, os policiais disseram que ele seria morto por afogamento ou com dois tiros na cabeça.Ainda de acordo com o pai, o menino lembrou-se de um vizinho que é policial e que, coincidentemente, trabalha no mesmo regimento dos dois cabos, chamado Ubiratan, e disse que era filho dele. Imediatamente, os cabos reconduziram-no para sua casa e disseram que não deveria contar sobre a ida até o zoológico. Ao entregarem-no para a mãe, os policiais disseram que M.P. estava fazendo baderna. Mas, chorando, ele contou o que acontecera e foi chamado de mentiroso pelos policiais.O comandante do Regimento da Polícia Montada, coronel Itamar dos Santos, disse que a sindicância vai apurar a verdade. Os policiais disseram-lhe que foram chamados para atender uma briga na escola. Quando chegaram já não havia nada e foram fazer a ronda. De repente, um grupo de meninas chamou-os porque elas queriam chegar a um ponto de ônibus e os meninos estavam jogando ovos. Foi então que apareceu M.P. e teria xingado os policiais e corrido.Os cabos conseguiram alcançá-lo e ele continuou xingando-os, por isso foi colocado na viatura e levado para casa. Segundo o coronel, os policiais disseram que quando chegaram na casa, o menino começou a chorar e contou a história de ter sido levado para o zoológico. Quanto às escoriações, o comandante supõe que possam ter sido ocasionadas durante a briga anterior e que teria motivado o chamamento dos policiais. "A sindicância é que vai esclarecer os fatos", disse. De acordo com ele, os dois policiais não têm nenhuma menção desonrosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.