Policiais são condenados por tortura em Limeira

O juiz da 2ª Vara Criminal de Limeira, Juscelino Batista, condenou ontem prisão a quatro policiais militares e um ex-policial militar da cidade, acusados de torturar o motorista Pompílio Gomes Pereira. Até o início desta tarde, apenas um dos condenados havia sido detido. Os outros não foram localizados pela PM.Foram julgados culpados o sargento Sergio Tadeu Bortochi; os soldados Moisés Leite Rodrigues, Alvimar Gonçalves, e Roberto Alves dos Santos; e o ex-PM Adriano Evangelista de Jesus. Rodrigues foi detido ao chegar para o trabalho na 1ª Companhia da PM, em Limeira. Em seguida, o soldado foi transferido para o presídio Romão Gomes, em São Paulo.O crime, ocorrido na madrugada do dia 15 de maio de 98, chocou a população. O motorista foi abordado pelos policiais em uma lanchonete do bairro Morro Branco, periferia da cidade. Segundo testemunhas, após pedirem os documentos de Pereira, os soldados Gonçalves e Evangelista passaram a ofender e agredir a vítima.Logo depois, chegaram ao local o sargento Bertochi, os soldados Rodrigues e Santos, além do tenente Caramigo, que morreu em um acidente de carro no ano passado. Depois de algemar o motorista, os policiais passaram a agredi-lo com socos e pontapés. Pereira ainda foi levado para um local distante da lanchonete, onde os policiais continuaram a machucá-lo.Depois de torturar o motorista, os acusados o levaram para a delegacia, alegando que haviam sido desacatados pela vítima. Pereira negou, afirmando que a tortura havia sido presenciada por testemunhas. Com base nas acusações do motorista, a Polícia Civil instaurou inquérito, que constatou o crime praticado pelos policiais. Corpo de delito - O exame de corpo de delito constatou lesões por todo o corpo de Pereira, que não teve chances de defesa. Um dos motivos para a agressão, segundo a polícia, seria vingança. Um ano antes, Pereira envolveu-se em um acidente de trânsito com um carro do Corpo de Bombeiros e também acabou agredindo o motorista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.