Policiais são investigados por execução no Guarujá

A Corregedoria da Polícia Militar está investigando outra denúncia de execução por PMs de dois rapazes, desta vez em Guarujá.Testemunha viu dois policiais abordando na tarde de domingo Elton de Freitas Correia, de 19 anos, e Eliclênio Nascimento Lima, de 16, que passeavam de moto. Os dois foram agredidos na rua, colocados no camburão de uma perua Blaser da corporação e seus corpos foram encontrados hora mais tarde, na praia de Santa Cruz dos Navegantes. Eles foram mortos a tiros. Na semana passado, dois PMs foram presos, acusados da morte de dois rapazes em Mongaguá.A primeira providência foi afastar do policiamento os 14 policiais que trabalharam em quatro guarnições. Suas armas foram recolhidas e os veículos vistoriados. Hoje, as suspeitas recaiam sob quatro policiais, que continuam afastados de suas atividades. Uma equipe da Corregedoria está na região investigando o caso e é aguardado o depoimento de uma testemunha que viu a abordagem para se tentar a identificação dos PMs envolvidos. Há informações de que Elton e Eliclênio já haviam sido ameaçados pelos policiais.Esse novo caso chocou a população da Baixada Santista. Ainda na semana passada, a execução de Celso Gioilelli Magalhães Júnior, de 21 anos, e de Anderson do Carmo, de 17, teve grande repercussão. Seus corpos foram encontrados sábado pela manhã, numa cova rasa cavada à beira de uma estrada municipal de Itanhaém. O cabo Maurício Miranda e soldado Sílvio Ricardo Monteiro estão presos no Presídio Militar Romão Gomes, na Capital.Antes disso, na quarta-feira de Cinzas de 1999, policiais da Cavalaria Nove de Julho que participam do reforço policial para a temporada de verão abordaram três adolescentes nas proximidades da Ilha Porchat. Cada um dos quatro policiais envolvidos foi condenado a pena de mais de 50 anos de prisão.Os três casos foram idênticos: policiais abordaram adolescentes e rapazes na rua, agrediram e os colocaram no camburão. A partir daí, não foram mais vistos com vida. Seus corpos foram descobertos e as marcas das balas mostravam que houve execução sumária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.