Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Policiais suspeitos de matar preso continuam a trabalhar

Os 19 policiais federais que, segundo o superintendente da corporação no Rio, Marcelo Itagiba, teriam sido afastados de suas funções regulares após a morte do cozinheiro Antônio Gonçalves Abreu, continuam trabalhando normalmente.A informação foi dada pelos advogados do Sindicato dos Policiais Federais, Mário Cesar Machado Monteiro e Erika Pedrinhas. De acordo com Monteiro, os agentes estão realizando as tarefas usuais, sem alterações da rotina, após a morte de Abreu, na carceragem da PF.O governo federal já reconheceu oficialmente a responsabilidade pela morte, e o ministro da Justiça, Paulo de Tarso, anunciou uma pensão para a família do preso. Ele havia sido detido acusado da morte do agente da PF Gustavo Moreira, na madrugada de 7 de setembro, e foi levado para o hospital no dia seguinte, em coma, com traumatismo craniano e lesões por todo o corpo.Morreu poucas horas depois. Após a denúncia do caso, os 19 integrantes do plantão entre os dias 6 e 8 de setembro passaram a ser considerados suspeitos de terEM espancado o cozinheiro para vingar a morte do colega.Em reunião com representantes da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Rio, do Conselho da Comunidade e da entidade Tortura Nunca Mais, o superintendente da PF, Marcelo Itagiba, garantiu que os policiais seriam deslocados para funções burocráticas.?Se eles não foram mesmo afastados das funções, é tudo uma grande encenação, uma farsa gravíssima?, afirmou o deputado estadual Chico Alencar (PT-RJ), que participou do encontro com o superintendente da PF.Marcelo Freixo, presidente do Conselho da Comunidade, também se sentiu enganado. ?A partir de agora, não adianta mais conversar com Itagiba, porque a palavra dele não vale mais. Vamos querer tratar diretamente com a direção-geral da PF, em Brasília.?O diretor do sindicato dos agentes federais identificado apenas como Ribamar, confirmou inicialmente que todos do grupo continuavam desempenhando as mesmas funções, mas, ao saber que o superintendente havia confirmado o suposto afastamento, voltou atrás. ?Então, vale o que disse Itagiba.?A assessoria de imprensa da corporação, consultada, reiterou que, como havia dito Itagiba, os integrantes dos plantões em que o cozinheiro foi preso e morto ?estão desempenhando funções burocráticas, afastados do trabalho operacional?.A Comissão Parlamentar de Inquérito da Tortura da Câmara Federal colheu nesta quinta-feira no Rio depoimentos sobre a morte de Abreu sob a custódia da PF. ?Este caso está sendo considerado emblemático para a CPI e queremos apurá-lo com precisão?, disse o deputado federal Magno Malta (PL-ES), integrante da comissão.Até as 17h, tinham sido ouvidos o advogado de Abreu, os presos Samuel Cerqueira e Márcio Gomes, acusados da morte do policial Gustavo Moreira. Dez dos 19 policiais suspeitos de torturar e matar Abreu também deveriam ser ouvidos nesta quarta. Os trabalhos na cidade devem ser encerrados nesta sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.