Policiais tentam localizar filho de publicitário assassinado

Equipes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) percorreram neste sábado diversos bairros e endereços à procura do ex-seminarista Gil Greco Rugai, de 20 anos, principal suspeito da morte do seu pai, o publicitário e empresário Luiz Carlos Rugai, de 40 anos, e a mulher dele, Alessandra de Fátima Troitiño, de 33. Ele foi intimado quatro vezes, prometeu se apresentar e não o fez. Ontem a Justiça decretou a prisão temporária de Gil a pedido do DHPP e desde então ele está foragido.Maristela, mãe de Gil e primeira mulher do publicitário, contou aos investigadores que seu filho saiu de casa na manhã da sexta-feira e, ao entrar num táxi, disse que iria se apresentar à polícia. Mas quem apareceu na sede do DHPP, na Luz, centro, foi o advogado Paulo José da Costa Júnior, apresentando uma procuração de Maristela e comunicando que seria o defensor do rapaz. Ele substituiu o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira. O crime ocorreu às 22h30 do domingo, na rua Atibaia, em Perdizes, zona oeste de São Paulo. O DHPP já ouviu cerca de 20 pessoas no inquérito: funcionários da produtora, a primeira mulher de Rugai, Leonardo, de 19 anos, irmão de Gil e também filho do publicitário morto, além de moradores, vigilantes da Rua Atibaia e amigos do casal assassinado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.