Policial acusado de extorsão obtém habeas-corpus

O Tribunal de Justiça (TJ) concedeu habeas-corpus ao investigador de polícia Rogério Salun Diniz, revogando a prisão preventiva decretada pelo juiz da 3ª Vara Criminal de Campinas. Rogério, acusado de envolvimento com a quadrilha do seqüestrador Andinho, responde a dois processos, um por extorsão mediante seqüestro e outro por denúncia caluniosa de outros policiais. O advogado de defesa Daniel Bialski argumentou que a coleta de provas, no processo por extorsão, não foi concluída no prazo legal. Quanto à denunciação caluniosa, alegou cerceamento, pois o juiz não quis ouvir testemunha arrolada pela defesa. O TJ acolheu o argumento e anulou o processo a partir daquela fase, que deverá ser refeito.O alvará de soltura foi cumprido. Rogério deixou o presídio especial da Polícia Civil, onde estava preso desde o início do ano passado. Ele agora responderá em liberdade aos dois processos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.