Policial acusado de ligação com PCC continuará preso

O policial Paulo Humberto Mangini, preso desde julho de 2005, acusado de cuidar de recursos financeiros destinados à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), continuará preso. A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) arquivou seu pedido de habeas-corpus. Na época da prisão, Mangini era investigador do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) e foi denunciado por formação de quadrilha. O policial pediu, liminarmente, a expedição do alvará de soltura e a confirmação do direito à liberdade provisória.A defesa sustentou excesso de prazo na prisão cautelar e ressaltou, também, que outro habeas-corpus ajuizado no Superior Tribunal de Justiça ainda não foi julgado, ?nem tampouco há previsão para que ocorra". Os ministros do STF negaram o pedido pois é proibida a concessão de liminar pelo Supremo quando o mesmo pedido foi negado pelo Superior Tribunal de Justiça ou ainda não teve o mérito julgado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.