Facebook
Facebook

Policial italiano aposentado é assassinado em casa, na Amazônia

Mario Simone, de 51 anos, foi atacado no dia 17 a tiros e facadas em sua residência na cidade de Igarapé-Miri, no Pará

O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2017 | 19h05

ANDRIA - Um policial italiano aposentado morreu em um hospital no Pará após ter sido baleado e esfaqueado em sua residência em Igarapé-Miri, 140 quilômetros ao sul de Belém, na Floresta Amazônica. O oficial se chamava Mario Simone, tinha 51 anos e foi atacado em sua casa, em 17 de novembro, por bandidos, que o atingiram com disparos de armas de fogo e golpes de facão. Simone chegou a ser internado e colocado em coma induzido em um hospital da capital paraense, mas morreu poucos dias depois.    

+++ Turista italiano é morto a tiros após entrar por engano em favela do Rio

"Conversei com Mario no telefone dois dias antes, e ele me falava de sua intenção de deixar o Brasil e se mudar para a Argentina. Ele dizia que não se sentia bem, pela pobreza, pela degradação, queria vender a casa que tinha construído e ir embora", afirmou Pasquale, irmão da vítima.

+++ PM mata espanhola na Rocinha; letalidade policial sobe 29,9% no Rio

Segundo ele, a família, natural de Andria, no sul da Itália, está enfrentando muitas dificuldades burocráticas para repatriar o corpo.

+++ Mais um extrativista é encontrado morto no Pará; na Amazônia, é o 4º caso

"Pedimos à Farnesina (Ministério das Relações Exteriores) que avalie a hipótese de enviar ao Brasil um avião militar para recuperar o corpo de meu irmão. Mario era um homem de grande coração e senso cívico. Ajudou muitas pessoas, ainda que não endossasse mais a farda, e talvez esse seu jeito o tenha colocado em perigo", acrescentou Pasquale.

Ainda não se sabe o motivo do assassinato, mas, em maio de 2016, o italiano já havia evitado uma tentativa de roubo em sua casa e espantado um assaltante. Simone se mudou para o Brasil há 10 anos, após ter se aposentado da Arma dos Carabineiros, a força policial militar da Itália, e se separado da mulher. /ANSA

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.