Policial mata taxista em bar de SP

O policial militar de São Paulo da Rota, divisão especial da PM paulista, Eduardo Luiz Coda, de 31 anos, matou ontem à noite, a tiros, o taxista Robson Aurélio de Souza, de 27 anos, à porta de um bar da Rua Hermínia Fidélis, em Pirituba, na Zona Oeste. Familiares da vítima estão revoltados, pois Robson - casado e pai de uma criança de 1 ano - não tinha envolvimento com marginais e foi agredido sem nenhuma razão aparente. O taxista foi morto por volta das 21 horas quando chegava à uma pizzaria, peplo policial, que estava à paisana conversando com o proprietário do estabelecimento. O policial o atingiu com oito tiros de pistola calibre 38. Socorrido pelo próprio pai, Anísio de Souza, Robson morreu no PS de Pirituba. Depois de ser ouvido pela Corregedoria da PM foi apresentado à delegada Tânia Mara de Campos, do 87º DP, para ser autuado em flagrante. Alegou legítima defesa e reservou-se o direito de só falar em juízo. Coda reside nas proximidades do local do crime e é bastante famoso por suas atitudes violentas. Conhecia a vítima desde a infância, o que demonstra não ter havido engano. Segundo testemunhas disseram à polícia, mesmo quando está fora de serviço, o policial faz questão de portar arma e de exibi-la. A todo instante costuma mencionar seu trabalho na Rota e por vezes efetua disparos a esmo.

Agencia Estado,

26 de janeiro de 2002 | 08h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.