Policial militar acusado de formação de quadrilha e roubo é preso na Bahia

'Tropa de elite' da PF chega ao Estado para executar os 11 mandados de prisão; mortes passam dos 80

Tiago Décimo, de O Estado de S.Paulo, e Solange Spigliatti, do Estadão.com.br, atualizado às 15h51

05 Fevereiro 2012 | 11h54

SALVADOR e SÃO PAULO - Um dos integrantes do movimento grevista da Polícia Militar na Bahia, Alvin dos Santos Silva, foi preso na madrugada deste domingo, 5. Segundo a Secretaria de Comunicação (Secom) do Estado, o policial se entregou e foi levado para o policiamento do Exército. A prisão faz parte dos 12 mandados de prisão expedidos para serem executados na Bahia.

Alvin é policial militar lotado na Companhia de Policiamento de Proteção Ambiental (COPPA) e é acusado de formação de quadrilha e roubo de patrimônio público (viaturas). O próprio comandante da COPPA, major Nilton Machado, foi quem efetuou a prisão e o encaminhou para a Polícia do Exército. Além dos crimes, o policial vai passar por um processo administrativo na própria corporação.

Segundo a Secom, desembarcaram no fim da manhã deste domingo, 40 homens do Comando de Operações Táticas, a "tropa de elite", da Polícia Federal, para executar os 11 mandados de prisão expedidos contra integrantes do movimento grevista da Polícia Militar.

Os policiais federais especializados vieram de Brasília, numa aeronave própria da PF, que ficará à disposição para remoção dos detidos aos presídios federais. Além desses, outros 15 homens do Grupo de Pronta Intervenção da Polícia Federal na Bahia darão apoio às operações.

Ainda na tarde de hoje, militares das Forças Especiais do Exército e da Brigada de Paraquedistas desembarcam na Base Aérea de Salvador, para reforçar ainda mais a segurança no estado. Os militares federais estão contando ainda com a participação de homens da Polícia Militar e da Polícia Civil para garantir a ordem e a paz.

Homicídios. A presença das tropas do Exército em Salvador, em especial nos bairros turísticos, aumentou a sensação de segurança, fez a população e os visitantes voltarem às ruas para aproveitar as praias e as atrações, mas nos bairros periféricos os registros de violência continuam altos.

Este domingo voltou a registrar, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, altos índices de homicídios pela região metropolitana da capital. No total, até as 15h20, houve mais 13 assassinatos. Apenas no bairro de Valéria, três homens foram vítimas de uma chacina.

Com os novos registros, chegam a 82 os homicídios em Salvador e região metropolitana, 54 apenas na capital, desde terça-feira, quando teve início a paralisação parcial da PM na Bahia. A capital registrou, no ano passado, média de 4,2 homicídios por dia, segundo dados da SSP. Na região metropolitana, a média foi de 6,1.

Segundo o comando-geral da PM no Estado, as tropas do Exército e da Força Nacional de Segurança, enviadas pelo governo federal para auxiliar no policiamento ostensivo na capital e nas principais cidades do interior, ainda estão sendo posicionadas nos bairros de Salvador e o governo espera uma redução no número de assassinatos nos próximos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.