Policial militar é executado pouco antes da festa

Quando se dirigia à residência da mãe, onde iriam festejar a passagem para o ano novo, o policial militar Ricardo Arruda, de 27 anos, foi atingido por nove tiros de calibre 9mm. Ele morreu ao dar entrada no hospital do bairro. O crime aconteceu na no Parque Santo Antônio, em Osasco, na Grande São Paulo. Arruda era lotado na 2ª Cia do 3º BPMM, no Parque Bristol, Zona Sul da capital. Pouco antes das 23h desta quarta-feira, testemunhas viram o policial, que se encontrava à paisana, em um bar. Em seguida, ele saiu com de carro em direção a um caixa eletrônico e, ao retornar, encontrou o bar fechado e resolveu dirigir-se à residência da mãe.Antes, porém, um homem apelidado de "Jururu", que pode ser um traficante, o chamou para conversar numa viela próxima à Rua São Paulo da Cruz. Logo em seguida se ouviram os estampidos. Quando os policiais chegaram ao local, encontraram Arruda baleado no peito e no braço esquerdo, ele ainda apresentaria sinais vitais, por isso o socorreram ao PS Santo Antonio. Os mesmos policiais encontraram os papelotes de cocaína no veículo.Três cartuchos de calibre 9mm foram apreendidos na viela que leva para o interior de uma favela, próxima da residência de Rosangela de Souza Arruda, mãe do policial morto. No momento do execução do filho, ela e a mulher dele estavam em um igreja evangélica e populares foram avisá-las do ocorrido. Os PMs que o conheciam insistem em afirmar que ele era um bom policial e suspeitam que a droga foi "plantada", no carro para comprometê-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.