Policial Militar é preso após matar três parentes da mulher

Crime ocorreu no setor Rio Formoso, em Goiânia; suspeito tentou fugir, mas foi preso poucas horas depois em outra cidade

Marília Assunção, Especial para o Estado

02 Janeiro 2015 | 11h44

GOIÂNIA - Um policial militar foi preso em flagrante pelo assassinato a tiros dos pais e de um irmão da mulher, que também foi baleada - o cunhado do PM era um menino de 12 anos de idade. O triplo homicídio ocorreu no setor Rio Formoso, em Goiânia, na casa do soldado Hélio Vieira Costa, 36 anos, na madrugada desta sexta-feira, 2. 

Logo após os crimes, o PM fugiu, levando os filhos do casal, mas foi preso poucas horas depois em outra cidade. Ouvido nesta manhã, ele alegou legítima defesa, sustentando que o sogro, que também era policial militar aposentado, o teria agredido primeiro.

Conforme o depoimento colhido pelo delegado Fábio Meireles, adjunto da Delegacia de Investigações de Homicídios, o PM estava de folga quando, por volta da meia noite, teria discutido com a mulher, Sara Silva, 23, exigindo que os pais dela, Raimundo Nonato da Silva, 54 anos, e Maria Margarete da Silva, 45, e a criança, cunhada do PM, fossem embora da casa onde estavam como visitantes. 

"Ele alega que o sogro escutou a conversa, não gostou e avançou contra ele com uma faca, e que então ele agiu em legítima defesa. Mas diz que não se recorda de mais nada do que aconteceu depois disto", relatou o delegado. 

Após atirar em Raimundo, Hélio alvejou também Maria Margarete e o menino. Sara acabou baleada no braço e está internada no Hospital de Urgências de Goiânia. O quadro de saúde dela é estável. O policial utilizou um revólver particular e depois escapou no carro da família levando os três filhos do casal, de um, cinco e sete anos de idade.

"A Polícia Militar fez a prisão dele na entrada da cidade de Goiás", contou o delegado à reportagem. O PM não reagiu à voz de prisão em flagrante. O local da prisão, um município turístico do interior goiano, fica distante cerca de 140 quilômetros de onde houve o triplo homicídio. Meireles disse que o histórico do soldado, tais como quadro psicológico e a conduta profissional dele na corporação, por exemplo, seriam solicitados à Polícia Militar de Goiás. 

Conforme o delegado, o PM confessou os crimes e todos os indícios apontam que ele agiu sozinho. "Assim que os laudos periciais chegarem e a Polícia Civil tiver ouvido mais algumas testemunhas, o inquérito será concluído e remetido ao Judiciário". 

Mais conteúdo sobre:
Crime Goiânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.