Policial morre em treinamento do Bope no Rio

Soldade de 28 anos morreu após passar mal durante treino do Curso de Ações Táticas; instituição irá apurar todas as circunstâncias que envolveram o falecimento

Gabriela Moreira, O Estado de S. Paulo

09 Novembro 2010 | 16h27

RIO - O soldado da Polícia Militar Eduardo Marcelo Medeiros dos Santos, de 28 anos, morreu na madrugada desta terça-feira, 9, após sentir-se mal durante treinamento do Batalhão de Operações Especiais (Bope), na sede da unidade, em Laranjeiras, na zona sul do Rio.

 

Outros três policiais também foram internados durante o treinamento, mas já tiveram alta. Segundo a PM, Eduardo morreu em consequência de insuficiência renal. Ele e os outros três policiais participavam de uma instrução tática individual para o ensinamento de técnicas como rolamento e rastejamento. Após cerca de três horas de atividade, os quatro apresentaram sinais de tontura e mal-estar e foram levados para o Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio, zona norte. De acordo com o relações públicas do BOPE, os médicos identificaram que os policiais estavam desidratados. "Eles foram medicados e ficaram internados. De madrugada, por volta das 4h, o Eduardo apresentou um quadro de insuficiência renal, teve convulsões e morreu", relatou o capitão Ivan Blaz.

 

Os demais policiais, segundo a PM, tiveram alta e passam bem. O enterro do policial será nesta quarta-feira, no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap. A PM instaurou uma Averiguação Sumária para investigar as circunstâncias da morte. "Serão ouvidos os alunos do curso, os outros policiais que passaram mal, a equipe médica, os familiares do Eduardo... todos que puderem esclarecer o ocorrido", afirmou Blaz.

 

Eduardo era lotado no 24º BPM (Queimados) e não tinha problemas de saúde, segundo a PM. Estava na corporação havia 4 anos. No dia 21 de setembro, às 8h, ele foi submetido a uma avaliação médica no Centro de Saúde Mental, Física e Desportos (CSMFD) da PM e foi aprovado. A equipe médica não encontrou nada que impedisse sua participação no treinamento, de acordo com boletim interno da corporação.

 

O CAT é um curso de aperfeiçoamento ministrado pelo BOPE com duração de 2 meses. Ao término do treinamento, o policial volta ao batalhão de origem. É um curso diferente do famoso Curso de Operações Especiais (Coesp) que dá acesso ao BOPE.

 

Notícia atualizada às 18h13.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.