Policial nega envolvimento com Beira-Mar

O policial civil de Goiás, João Dias Neto, ameaçado pelo traficante Fernandinho Beira-Mar em fita divulgada na segunda-feira pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, prestou depoimento hoje à corregedoria da Polícia Civil de Goiás. Ele teve de esclarecer o surgimento de seu nome em escuta telefônica promovida pelo Ministério Público do Rio de Janeiro no presídio Bangu 1, onde está preso o traficante. Neto negou que tivesse uma dívida com Beira-mar. "A única coisa que o Beira-Mar me pediu era para que investigasse o traficante Leonardo Dias Mendonça (o Mandacaru)", contou o policial, que esteve preso com Beira-mar na Delegacia da Polícia federal, em Brasília. Neto responde a processo por formação de quadrilha e atualmente trabalha como motorista da Delegacia de Homicídios. Ele teria ingressado na Polícia Civil de Goiás com diplomas falsos, o que acabou custando sua demissão. Entretanto, Neto acionou a justiça e por meio de um mandado de segurança acabou reincorporado à Polícia Civil de Goiás. Na escuta divulgada pelos promotores do Rio de Janeiro, Beira-mar afirma ter colocado 30 policiais para cobrar uma dívida de Neto. "Bota o terror, diz que eu já coloquei mais de 30 pessoas na cidade atrás dele, tudo gente que trabalha na mesma coisa que o Neto", afirmou o traficante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.