Policiamento ostensivo diminui em 50% assaltos na Avenida Paulista

Moradores e comerciantes comemoram a redução da criminalidade na Avenida Paulista. Um mês depois da inauguração das cabines e do início do patrulhamento de moto na região, a Polícia Militar já registra uma grande redução nos índices de roubos e furtos de veículos e assaltos a pedestres e motoristas. Em agosto, foram registradas 107 ocorrências na avenida. Em setembro, depois que as cabines foram instaladas, esse número caiu para 57. Nos primeiros 15 dias de outubro, foram 17 casos. No cruzamento com a Rua Peixoto Gomide, alguns motoristas com os vidros dos carros abertos parecem ter se esquecido que o local era freqüentado por trombadinhas. No total de ocorrências atendidas por viaturas na região, a Paulista caiu da 1ª para a 4ª colocação. ?Essa diminuição pôde ser percebida nas ruas nesses 36 dias. Fizemos uma parceira com o 11.º e o 7.º Batalhão e o 13.º Batalhão de Trânsito e reduzimos até mesmo os acidentes. Estamos próximos da população?, comentou o tenente-coronel do 34.º Batalhão, Ararigbóia Delecródio, responsável pela instalação das cabines. O coronel conta que, com essa parceria, já conseguiu detectar os pontos onde estão acontecendo furtos e roubos de motos. ?Esses casos não ocorrem mais na Paulista, que está sendo patrulhada, e sim nas suas travessas. Mas isso vai acabar?, diz. Ele revela que tem a descrição dos ladrões e da maneira como eles agem. Agora, só espera o momento certo para prendê-los. ?Quando os motoqueiros eram assaltados, logo que as cabines foram instaladas, eles corriam direto para os nossos PMs. Há uma semana, nenhum motoqueiro pede a nossa ajuda?, completa. As cabines, patrocinadas pela Associação Paulista Viva, têm recebido elogios principalmente dos comerciantes que cedem espaço para guardá-las ? às 21h, elas são desmontadas e recolhidas; às 6h, voltam para a avenida. O gerente do Itaú Cultural, Vlamir Tadeu Saturnir, conta que sentiu uma melhora na região, o que também é constatado nas conversas com funcionários. ?Com certeza, houve menos casos de violência. Como nós recebemos muitas excursões de escolas, geralmente são formadas filas na calçada. As cabines trouxeram maior segurança?, diz Saturnir. Já o operador responsável pelo estacionamento Estapar, na Rua Peixoto Gomide, Irineu Souza, conta ter ouvido muitos elogios de clientes que diariamente passam pela Paulista. ?O pessoal comenta que melhorou muito. Além disso, tínhamos uma média de dois assaltos por semana no nosso caixa. Depois da instalação das cabines, não tivemos mais nenhum?, diz Souza. Os motoristas que utilizam o estacionamento comemoram. ?Essa rua era cheia de trombadinhas, mudou para melhor e nem precisamos mais fechar o vidro do carro. Me sinto mais segura?, conta a assistente administrativa Cinthia Orban, de 20 anos. ?Meu único medo é que isso acabe depois das eleições?, completa Souza. Para o operador, se algo ameaçar a continuidade das cabines, haverá muita briga para que elas permaneçam no local. De acordo com o tentente-coronel Ararigbóia, o fato de os acidentes de carro na avenida também terem diminuído é outro fruto da presença das cabines: ?Os policiais inibem possíveis imprudências dos motoristas. Eles ficam muito mais atentos.? O presidente da Associação Paulista Viva, Nelson Baeta Neves, garantiu: ?As guaritas não serão retiradas após as eleições, mesmo porque estamos projetando melhorias para elas.? Baeta conta que está estudando maneiras de diminuir o calor dentro do compartimento e que as rodas pequenas que o transportam já foram trocadas por outras mais resistentes. A idéia é colocar mais uma cobertura sobre a guarita, ?nem que seja um guarda-sol.? O objetivo é deixar um espaço para a circulação do ar e diminuir a temperatura no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.