Policiamento vai ser reforçado na Barra da Tijuca

Paulinho da Viola e Helena Ranaldi foram assaltados anteontem na região

Clarissa Thomé, RIO, O Estadao de S.Paulo

31 de dezembro de 2007 | 00h00

A Polícia Militar vai reforçar o policiamento na Barra da Tijuca, para tentar coibir os roubos e furtos de automóveis. O tenente-coronel Paulo Augusto Mousinho, comandante do 31º Batalhão, informou que PMs em motocicletas vão circular pelas principais vias do bairro. No domingo, foram feitos pelo menos dez registros de roubos de carro na delegacia do bairro. Entre as vítimas, o cantor e compositor Paulinho da Viola e a atriz Helena Ranaldi.Num dos casos, um assaltante foi morto na Avenida das Américas, quando tentava assaltar uma mulher próximo ao Condomínio Rivera. A vítima estava sozinha em seu carro, quando foi abordada. Outro motorista fez dois disparos. Um dos tiros atingiu o assaltante, que usava uma arma de brinquedo. O motorista que reagiu não foi identificado.Ontem, Helena Ranaldi disse que pretende mudar seus hábitos e deixará de trafegar pela Linha Amarela, via expressa que liga as zonas norte e oeste. "Já não andava por ali à noite. Mas, agora, eu quase fui assaltada às cinco horas da tarde, à luz do dia. A violência está em todo o lugar", desabafou a atriz. Ela reafirmou seu desejo de viver fora dos grandes centros. "Já pensei muitas vezes em me mudar para um lugar mais tranqüilo, onde eu teria mais qualidade de vida. Por enquanto, não será possível. Meu filho ainda é pequeno e trabalho aqui", afirmou.Helena conseguiu escapar de um arrastão na subida da Linha Amarela. Como seu carro, uma Pajero, é blindado, ela se abaixou e acelerou, furando o bloqueio dos assaltantes. O delegado Rafael Willes (16ª DP-Barra) disse ontem que já tem pistas dos assaltantes que levaram o carro do compositor Paulinho da Viola. Ele não revelou as informações. Paulinho da Viola e a mulher, Lila, tiveram seu Honda Civic roubado por quatro homens armados na Estrada do Itanhangá, na Barra da Tijuca.Em entrevista ao site G1, a mulher do compositor, Lila, disse que o marido ficou muito triste com o episódio e não quer mais comentar o assunto. Segundo ela, o casal mudou os planos para o réveillon - desistiram de assistir à queima de fogos na Barra e decidiram passar a virada do ano em casa. Lila contou que, além do carro, os assaltantes levaram a sua bolsa, com celulares, remédios e cartões. Ela e Paulinho seguiram a pé até um restaurante onde haviam combinado de encontrar amigos e, de lá, foram para a delegacia. Lila disse que pensa em deixar o Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.