Samuel Aguiar/ O Tempo
Samuel Aguiar/ O Tempo

Policias federais distribuem pizza em protesto em aeroporto de MG

Categoria, em greve desde terça-feira, diz que impunidade pode aumentar se não houver investimento na PF

12 Agosto 2012 | 14h01

SÃO PAULO - Policiais federais de Minas Gerais distribuíram na manhã deste domingo, 12,  uma pizza gigante no Aeroporto Internacional de Confins, na Grande Belo Horizonte. O ato, iniciado às 11h30, foi organizado pelo Sindicato dos Sindicato dos Policiais Federais no Estado de Minas Gerais (Sinpef-MG) e, segundo seus dirigentes, serviu para mostrar o risco do aumento da corrupção com a falta de investimento na Polícia Federal.

 

Agentes, escrivães e papiloscopistas estão em greve em todo o Brasil desde a terça-feira passada e compareceram ao saguão do aeroporto para reforçar os pedidos da categoria neste Dias dos Pais.

 

A pizza gigante, com 5 metros de cumprimento e 10 quilos, foi distribuída entre passageiros e funcionários. Seus 300 pedaços acabaram em 45 minutos e foram acompanhados de panfletos com as principais reivindicações dos grevistas: reestruturação da carreira, reajuste salarial, contratação de mais funcionários e uma direção sindical mais representativa. A pizza, segundo o presidente do sindicato Sinpef-MG, Renato Figueiredo, é uma alusão ao julgamento do mensalão que ocorre no Supremo Tribunal Federal (STF), bem como a todos os processos abertos por conta de investigação da Polícia Federal.

 

"A Polícia Federal é o principal órgão de inteligência do País. Estamos fazendo essa manifestação para que nosso trabalho não sofra uma precarização e não termine em pizza", explicou. O Dia dos Pais também foi escolhido de propósito. "Os três cargos da Polícia Federal - escrivão, agente e papiloscopista - estão órfãos do Ministério da Justiça". Entre os policiais que participaram do ato, alguns comparecem com os filhos e com a família,  Figueiredo.

 

Em paralelo à "pizzada", a operação-padrão seguiu sendo feita no embarque de passageiros de voos internacionais - em certos momentos, os embarques domésticos também são alvos da ação. O procedimento, adotado como forma de protesto, consiste na fiscalização de quase todos os passageiros e bagagens, com um rigor maior que o de costume. Durante a semana houve filas e confusão no aeroporto, mas neste domingo o movimento era normal, de acordo com a Infraero. Até as 13h, nenhum voo havia sido atrasado ou cancelado.

 

Negociações. Na semana passada, a categoria, se reuniu com representantes do governo, mas não chegou a um consenso e decidiu seguir com a greve. Neste quinta-feira, os policias federais realizam nova assembleia para decidir se continuam com a paralisação. O governo se comprometeu a apresentar uma proposta às mais de 30 categorias do funcionalismo público em greve até esta sexta-feira. Mais de 350 mil servidores estão parados em todo Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.