Política tira paz de presídios paulistas, afirma Lembo

Para o governador de São Paulo, Cláudio Lembo (PFL), a causa das recentes rebeliões nas penitenciárias paulistas são fatores externos. Segundo ele, facções criminosas e entidades da sociedade civil querem tumultuar os presídios."Segmentos políticos às vezes ingressam nos presídios e querem transformá-los em comitês políticos. Mas são fatores externos, internamente a situação dos presídios vai muito bem", garantiu Lembo, que esteve nesta segunda pela manhã no Centro de Referência do Idoso da Zona Norte, em São Paulo."Dentro dos presídios não temos problemas, há muita disciplina, muita paz e muita tranqüilidade... e também na Febem (Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor)."Apesar das tranqüilidade mencionada pelo governador, domingo aconteceu a 34ª rebelião do ano no Estado. Na Penitenciária de Potim, no Vale do Paraíba, 1.117 presos mantiveram reféns durante sete horas 12 agentes penitenciários e 230 parentes de detentos.Na definição de Lembo, a situação "é preocupante". "Porém, eu estou muito tranqüilo." O governador cita como possível causa dos problemas recentes a atuação de algumas organizações não-governamentais (ONGs). "Algumas ONGs têm essa vontade de criar uma situação complexa nos presídios, criar tumulto em ano eleitoral", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.