Lúcio Távora/Ag. A Tarde
Lúcio Távora/Ag. A Tarde

Político deixa cargo por vaga de médico

Chefe de gabinete diz ter se ‘entusiasmado’

Tiago Décimo,

05 Setembro 2013 | 23h09

O chefe de gabinete da Secretaria Estadual de Relações Institucionais (Serin) da Bahia, Pedro Alcântara de Souza, apresentou-se à prefeitura de Juazeiro, no extremo norte do Estado, para integrar o programa Mais Médicos. Ele, porém, ainda não pediu a exoneração do governo estadual.

Formado na Universidade Federal da Bahia (UFBA), especializado em ginecologia, obstetrícia e mastologia, Alcântara, de 61 anos, chegou a exercer a profissão antes de abraçar a política. Fundador do PL (hoje PR) no Estado, foi vereador em Juazeiro e seis vezes deputado estadual. Não conseguiu se reeleger em 2010 e, em 2011, foi convidado pelo governador Jaques Wagner (PT) para assumir a função na Serin.

"Ainda não comuniquei minha saída da pasta nem formalizei o pedido, porque queria conversar com o governador antes", alega. "Não seria delicado que ele ficasse sabendo pela imprensa que eu estava deixando o governo. Marquei uma audiência com ele para segunda-feira."

Pedro Alcântara, como é conhecido, diz ter se "entusiasmado" quando conheceu o programa do governo federal. "Minha família é toda formada por médicos, achavam que eu era uma ovelha desgarrada, mas decidi voltar à minha cidade e à minha profissão."

O ex-deputado diz já ter conhecido o posto de saúde no qual vai trabalhar, no bairro Alagadiço. Além de voltar a Juazeiro, Alcântara vai ter aumento de vencimentos com a mudança. Seu salário na secretaria, segundo a assessoria do órgão, era de R$ 5.779,03 - e a bolsa que vai receber, pelo programa, é de R$ 10 mil.

Adversários políticos veem na manobra uma tentativa de Alcântara tentar aumentar a popularidade para concorrer a uma vaga na Câmara de Deputados no ano que vem - ou candidatar-se a prefeito, em 2016. "Ganhei um estetoscópio com a mensagem: ‘Bem-vindo de volta ao lugar de onde o senhor nunca deveria ter saído’."

Mais conteúdo sobre:
Mais médicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.